Análise: Fluminense faz gol logo no início, segura o Internacional e vence no Maracanã confronto direto por vaga na Libertadores 2022.

Em um jogo onde o tricolor mostrou muita raça e muita vontade mas deixou a desejar na parte técnica, saiu com a vitória e deu mais um passo importante para a classificação à Libertadores do próximo ano.

Com Wellington na vaga de André, suspenso, e Calegari no meio de campo no lugar de Martinelli, machucado, o Fluminense tinha Yago Felipe na criação, sendo o responsável pela 2ª fase de construção e chegando muito ao ataque. Fred jogando mais fora da área foi o responsável pela primeira grande chance do Fluminense.

 

Logo com 1’ de jogo saiu o gol. Fred puxa a marcação e tenta o cruzamento, o zagueiro do Internacional coloca a mão na bola e a arbitragem confirma o pênalti, o atacante tricolor bate com categoria e abre o placar no Maracanã. A partir daí o que se viu foi um Fluminense recuado e esperando o momento certo para matar o jogo, no maior estilo do reativo como é conhecido do tricolor. Como já vimos no Tática Didática.

Na organização defensiva o Fluminense ficava com uma linha de 5 no meio de campo e posicionou os seus extremos para sair em velocidade e realizar as transições com poucos toques na bola e efetividade, mas esbarrou na qualidade técnica de seus jogadores.

Uma vitória importante e que põe o Fluminense de vez na briga por uma vaga na Libertadores 2022.

Análise: Fluminense faz jogo seguro e vence o América/MG no Maracanã com gols de Luiz Henrique e Fred

Em um jogo seguro taticamente, com mais posse de bola, determinação e superioridade, o Fluminense venceu o confronto direto contra o América/MG e chegou a 7ª colocação do Brasileirão.

Com a volta de Luiz Henrique e Fred ao ataque, o Fluminense iniciou o jogo no 1-4-3-3, na organização ofensiva, já na organização defensiva ficava no 1-4-4-2 com Caio Paulista fazendo uma dupla de ataque com Fred, iniciando a marcação em bloco médio, o Fluminense tem muito repertório, como mostramos no vídeo do Tática Didática. Caio e Luiz Henrique trocaram em muitos momentos do jogo de lado. O tricolor também jogou com seus laterais em bastante amplitude, fazendo com que o adversário abrisse o meio de campo para infiltração dos volantes do Fluminense, foi visto durante o jogo Yago, André e Martinelli chegando na área.

O gol tricolor marcado por Luiz Henrique saiu de uma falta cobrada dentro da área e um erro defensivo do América/MG, realizando uma linha de impedimento errada, o atacante tricolor ficou livre na área e aproveitou o passe de Nino para marcar com o gol livre, o VAR conferiu se havia impedimento no lance mas foi validado.

Na segunda etapa o Fluminense mesmo em vantagem marcava no último terço do campo pressionando a saída de bola do adversário. Vencendo por 1 a 0, o Fluminense passou a marcar no 1-4-1-4-1, com André de 1º homem de meio campo e Fred como o único jogador à frente. Árias entrou no lugar de Luiz Henrique, cansado, e jogou aberto pela extrema esquerda, realizando boas jogadas, nesse momento o tricolor jogava de forma bem ofensiva e com vontade de matar o jogo.

Fred voltou a marcar de pênalti após jogada em profundidade de Cazares para Árias. O equatoriano bateu a falta rápido, criando o espaço com um passe em ruptura nas costas da defesa e encontrou Árias, que foi derrubado na área.

O Fluminense fez um jogo muito seguro e venceu o confronto direto na briga por uma vaga na Libertadores, sem dúvida dá uma esperança ao torcedor do tricolor por dias melhores.

Análise: Fluminense joga mal, finaliza pouco e acaba derrotado pelo Juventude por 1 a 0

Em jogo de pouca inspiração, o Fluminense acabou derrotado fora de casa e não aproveitou a derrota do Internacional para subir na tabela e dar mais um passo rumo à Libertadores 2022.

Mais uma vez Marcão modificou o Fluminense saindo do 1-4-4-2, da vitória sobre o Palmeiras, para o 1-4-3-3, com 3 volantes e Caio Paulista na extrema direita. Lucca também ganhou a vaga de titular e jogou aberto pela esquerda, com John Kennedy na vaga de Fred, suspenso. André retornou ao meio de campo do tricolor e deu início a maioria das saídas de bola do Fluminense, como podemos ver na análise do Tática Didática , o jovem volante dá mais qualidade a 1ª fase de construção de sua equipe.

Buscando transições em velocidade o Fluminense chegava ao ataque com superioridade numérica mas errava no último passe e em muitos momentos devolvia a bola para o adversário. John Kennedy flutuava bem entre as linhas do Juventude mas o tricolor não conseguia chegar ao gol e finalizava muito pouco na meta do goleiro gaúcho.

O gol do Juventude expõe um dos maiores problemas da equipe de Marcão: a pouca pressão ao portador da bola. Na jogada ensaiada, e estudada, do time gaúcho a bola sai do escanteio para quase o 2º terço do campo e o jogador do Juventude recebe com espaço e tempo para cruzar na área. Outro problema aparece, o ataque às costas do lateral, que ganha de Marlon no alto e atravessa a bola para a pequena área encontrando o atacante do Juventude em liberdade para finalizar e fazer o gol.

Com a entrada de Cazares o Fluminense tem a posse, cria os espaço mas o meia equatoriano se posiciona mal e fica atrás da linha adversária, dificultando a criação das jogadas do tricolor. Atrás do placar o Fluminense sobe suas linhas mas pressiona pouco e não consegue recuperar a posse e gerar um novo ataque. Árias entrou aberto pela direita, sua posição de origem, mas pouco tocou na bola e quando tocou errou mais do que acertou, analisado pelo Tática Didática.

O Fluminense tem repertório, tem jogadores que podem render mais, porém tem pouca inspiração e sem nenhum poder de finalização. Marcão precisa procurar alternativas para as últimas rodadas do Brasileirão.

Tática Didática: Tem que defender pensando no contra-ataque

O Fluminense conseguiu uma importante vitória sobre o Santa Fé, pela segunda rodada da Libertadores. Entretanto, ao longo da partida, a equipe cometeu equívocos. Erros estes que, contra um time mais talentoso e organizado, poderiam ter resultado numa derrota.

Roger Machado colocou o Flu os noventa minutos para se defender. Alternou marcação média e baixa. Entretanto, qual o segredo de uma boa organização defensiva? Marcar pensando no contra-ataque. Isso o Fluminense não fez.

Na primeira imagem vemos as linhas muito recuadas. Quando Kayky e Luiz Henrique, responsáveis por puxar a transição ofensiva pelas pontas, recebiam a bola, tinham campo demais para correr. O suficiente para o Santa Fé se recompor defensivamente.

No lance do primeiro gol (foto 2), reparem: Kayky está sozinho. Só que a genialidade do garoto, aliada a não pressão dos jogadores do Santa Fé, permitiu um bom passe para Nenê que, genialmente, deu de letra para Fred abrir o placar.

Contra o River o gol de empate sai em um contra-ataque em que os pontas estão mais à frente. E, assim, conseguem puxar melhor a transição. É dessa forma que se faz um time sólido atrás e que aproveita na frente.

Atualmente, o Flu não está bem atrás, nem na frente. A esperança é que, com o tempo, Roger acerte e faça este modelo dar certo.

E aí, torcedor tricolor? Gosta da maneira como o time joga?

Foto em destaque: Lucas Merçon/FFC

Tática Didática: Fluminense errou, sofreu, mas ganhou. É preciso melhorar

O Fluminense fez uma grande partida contra o Santa Fé, pela segunda rodada da Libertadores 2021. E o “grande” não é por uma bela atuação. E sim por conseguir uma excelente vitória em circustâncias muito adversas.

Mas não dá para iludir: o time não chegará longe se não melhorar a forma de jogar. E a partida contra os colombianos mostra bem por onde começar a resolver os problemas.

Na partida tivemos problemas graves na marcação pelo lado do campo. Luiz Henrique e Kayky não souberam fazer a marcação e a proteção de Callegari e Egídio. Em vários momentos do jogo os ponteiros do Santa Fé apareceram sozinhos. A sorte é que eles não aproveitaram estas brechas para criarem chances de gol.

O estilo reativo de Roger Machado, de buscar o contra-ataque deu certo em alguns momentos. Quando o Fluminense marcava pressão, conseguia bons botes. Mas na hora que recuou as linhas, Kayky e Luiz Henrique estavam tão longe do meio que não conseguiam puxar a transição ofensiva em rapidez.

Roger precisa melhorar este encaixe defensivo. Claramente os garotos ainda precisam de mais leitura de jogo para saber a defesa e a proteção dos laterais. E isso precisa ser rápido, para não sofrer com times mais qualificados.

A vitória veio. E é para comemorar, muito! O time foi guerreiro. Mas quando a euforia passar é preciso ter a calma para analisar os problemas e pensar em soluções para resolvê-los.

Os parceiros do Tática Didática, canal de produção de análise tática, fizeram este vídeo com uma análise completa da vitória do Fluminense pela Libertadores.

Foto em destaque: Lucas Merçon/FFC

Veja como joga o Santa Fé e como o Flu pode vencer o jogo

Como joga o Santa Fé? E como o Flu pode vencer?

Nesta quarta-feira (28), às 21h de Brasília, o Fluminense faz sua segunda batalha na Libertadores da América. Após realizar um primeiro jogo muito bom frente ao River Plate, o Tricolor enfrenta o Independiente Santa Fé, da Colômbia.

O time colombiano conta com alguns jogadores conhecidos no futebol brasileiro como Seijas, que jogou no Internacional e Chapecoense, e Cárdenas que jogou no Atlétigo MG e Vitória. É um time muito forte dentro dos seus domínios, porém que tem dificuldade para jogar contra um time que jogue com linhas compactas.

A expectativa é que o Fluminense mostre uma evolução em relação ao confronto contra o River e, que os reforços para esta temporada possam atuar mais minutos, com mais entrosamento.

Confira o vídeo que explica melhor sobre como joga esse time colombiano e o que o Fluminense pode fazer para vencer a partida. O conteúdo foi produzido pelos parceiros do Tática Didática

Foto em destaque: Divulgação

Mostrando potencial: Veja o empate entre Fluminense x River pelo olhar do Tática Didática

O Fluminense estreou ontem na libertadores, frente ao River Plate, e ao contrário do que muitos diziam, jogamos de igual pra igual.⠀
O time argentino não conseguiu fazer grandes investidas durante todo jogo, ao não ser o lance que gerou o pênalti, e isso se deve muito a dupla de zaga (Nino e Lucas Claro) e os volantes (Martinelli e Yago Felipe), que se posicionaram muito bem durante todo jogo, assim dificultando a vida do “hermanos”⠀


Na parte ofensiva, destaque para a partida de Cazares, que entrou durante o segundo tempo e dominou o meio campo, as duas crias de Xerém, Luis Henrique e Kayky, que jogaram muito bem pela ponta, tanto defensivamente quanto ofensivamente, e para nosso matador Fred, que sempre mostra qualidade dentro da área.⠀

No fim de semana, enfrentamos o Madureira, pelo estadual, e já classificados creio que o Roger pode usar o jogo para realizar alguns testes visando a partida do meio de semana contra o Santa Fé, fora de casa.⠀

Feito por: @taticadidatica

Foto em destaque: Lucas Merçon/FFC

Veja uma análise detalhada dos adversários do Flu na Libertadores

Flu na Liberta: Veja a análise dos nossos adversários

O Fluminense caiu no Grupo D da Libertadores da América 2021. A chave ainda não está fechada, mas já há a confirmação da presença de River Plate e Independiente Santa Fé.

O grupo, a princípio, é bem complicado. Principalmente pela presença do River, que nos últimos cinco anos venceu a Libertadores duas vezes, foi finalista em outra oportunidade e chegou nas semis em 2020.

No vídeo abaixo, produzido pelos parceiros do Tática Didática, eles analisam o grupo e trazem quais são as possibilidades do Fluzão no torneio. Assista e deixe seu comentário!

Foto em destaque: Divulgação

Veja como foi a vitória do Flu através do Tática Didática

VENCE(e bem) O FLUMINENSE.
No jogo contra o Macaé, os comandados de Roger conseguiram imprimir um jogo melhor e mais fluído do que a última partida.

Em campo, o Tricolor conseguiu imprimir desde o começo uma marcação alta que permitiu que o time recuperasse bolas no campo de ataque e com 4/5 jogadores mais a frente, conseguissem triangular e encontrar espaço na defesa adversária que estava desmontada.

No segundo tempo, o Flu segurou mais a bola e Martinelli foi fundamental: o garoto ditava o ritmo do jogo, acelerando e segurando quando era necessário.

No fim, o Fluminense emplacou 3 gols em sequência pra fechar a goleada. Os trio Fred, bem posicionado na área após uma bela jogada de Martinelli, Nenê, um golaço de falta, e Ganso, oportunista, fecharam a conta com a goleada de 4×0.

Com o resultado, os comandados de Roger seguem na luta pela classificação para a próxima fase do Estadual.

Foto em destaque: Lucas Merçon/FFC

Veja uma análise detalhada de Matheus Babi, possível reforço do Fluminense

QUEM É E COMO JOGA MATHEUS BABI?

O jovem centroavante Matheus Babi, tem chamado atenção de vários clubes brasileiros. O Fluminense é um que está na briga pela contratação do atacante. E, até agora, sabemos que a negociação está avançada. Faltam detalhes entre Botafogo e Fluminense para que o negócio seja sacramentado e o jogador anunciado como reforço para a temporada 2021.

Mas, em que a contração vai ajudar o Fluminense? Bom, Babi é um centroavante com potencial. É jovem e mesmo num time bagunçado e cheio de problemas internos, como foi o Botafogo ano passado, conseguiu se destacar.

No Fluminense, chega como reserva imediato de Fred. Entretanto, engana-se quem acha que os dois não podem atuar juntos. Eles podem, e em mais de uma formação. Para saber mais sobre o jogador, seu posicionamento, movimentação e como pode se encaixar no Tricolor, basta ver o vídeo abaixo.