Tática Didática: Como jogam os laterais do Fluminense? Análise tática do jogo de ontem

O Fluminense enfrentou o Bragantino pelo jogo de volta da terceira rodada da Copa do Brasil, no estádio Nabi Abi Chedid. No entanto, não foi uma noite feliz para o Tricolor Carioca. A equipe comandada por Roger Machado até saiu na frente, mas levou a virada e acabou sendo derrotada, com justiça, pelo placar de 2×1.

Quanto ao jogo, mais uma vez o Flu foi uma equipe com pouco ímpeto ofensivo, que jogou de maneira reativa, reativa até demais. Mais uma vez foi uma equipe que concedeu a posse de bola para o adversário, se defendeu e tentou sair na transição ofensiva rápida, porém com pouca eficácia na partida em questão.

Sob essa perspectiva, os laterais do Fluminense exercem uma função que corrobora demais com o que foi dito alhures. Ambos não sobem tanto ao ataque e tendem à se preocupar mais com o balanço defensivo, do que propriamente dito em conferir opção de passe na frente.

Essa postura dos laterais está muito alinhada com a postura extremamente defensiva que por vezes o Roger determina para o seu time. Diante disso, quem concede amplitude e profundidade para o ataque do Fluminense são os extremos. Porém, estes, circunstancialmente afunilam e dessa forma abre-se um corredor nas alas do campo. Corredor este que poderia ser mais explorado pelos laterais, até para ampliar as opções ofensivas da equipe carioca.

Veja mais detalhes no vídeo abaixo!

Foto destaque: Lucas Merçon/FFC

Tática Didática: Flu consegue a proeza em se complicar

Irreconhecível, Flu vê a classificação antecipada fugir e tem missão complicada.

Em campo precisando de um empate, Roger levou a campo o 4-4-2 base com uma mudança: Nenê deu lugar a Casares que jogou mais próximo de Fred.

O tricolor começou bem com boas chegadas de Kayky e Luiz Henrique vindo de fora para dentro do campo. Porém, aos poucos o time colombiano começou a ter o controle da partida e isso começava desde a base da jogada: como o Flu tem 2 jogadores que não pressionam muito, o adversário consegue sair tranquilamente e construir o jogo como acha melhor.

E por isso que o Junior começou a sair mais para o jogo e achar as costas da linha do meio campo do Tricolor que tinha Yago e Martinelli menos agressivos na marcação, o que dava esse tempo e espaço para o adversário.

Os gols do Junior saíram de desatenção na marcação do Fluminense que não pressionava. No fim do jogo, Abel descontou, mas já era tarde.

Com o resultado o Tricolor das Laranjeiras continua líder, mas vendo os resultados, irá precisar jogar pelo empate diante do River(com muitos casos de covid a serem revistos até lá) na Argentina.

No vídeo abaixo, explicamos com mais detalhes os motivos para a derrota do Flu.

Tática Didática: O que o Fluminense precisa corrigir para o primeiro jogo da final contra o Flamengo

O Fluminense venceu, mas encontrou problemas diante do Santa Fe.

A equipe de Roger ainda tem problemas de compactação e aproximação, deixando espaços mesmo quando tem superioridade numérica no setor defensivo. Isso aconteceu algumas vezes pelo último jogo da Libertadores, na quarta-feira.

Para o confronto contra o Flamengo, na primeira final do campeonato estadual, Roger não tem muito tempo de trabalho para grandes ajustes, e deve priorizar um melhor encaixe para que o conjunto funcione melhor em diferentes situações de jogo. Confira o vídeo

Tática Didática: Fluminense, o time que só rende no segundo tempo. Veja análise

No dia de ontem, 12, o Fluminense venceu o Santa Fé, pelo placar de 2×1, e encaminhou sua classificação para a segunda fase da Libertadores da América. Porém mesmo com a classificação, podemos afirmar que o time tricolor é um time que rende muito mais no segundo tempo.⠀

No jogo de ontem, o time do Roger Machado, iniciou a partida até que bem, porém com passar do tempo, o time foi regredindo, mostrando muitas falhas de movimentações, principalmente de transições defensivas, assim dando muito espaço para o adversário. Parece que o time só se liga após ter um revés no campo, foi assim contra o River Plate, Junior Barranquilla e ontem contra o Santa Fé.⠀

A equipe técnica tem que dar uma atenção para essas falhas de posicionamento e movimentação, buscando a solução o mais breve possível, pois se o Fluminense enfrentar um adversário mais qualificado ofensivamente, e der as brechas desses confrontos que foi citado, pode se complicar.

Confira a análise da vitória de ontem no video abaixo.

Tática Didática: Análise detalhada do jogo entre Junior x Fluminense

Contra o Junior, o Flu apresentou melhoras em relação à partida contra o Santa Fé e, mesmo diante de um adversário mais qualificado tecnicamente, que explorou bem os espaços entrelinhas, conseguiu sofrer menos.

Inicialmente, o Barranquilla pressionou a saída de bola do Tricolor, forçando alguns erros individuais, principalmente na lateral esquerda, com Danilo Barcellos. O primeiro gol sai nesse momento da partida, em um pênalti questionável, Borja abre o placar.

A equipe colombiana buscava, com frequência, inverter o lado da jogada, forçando a marcação do Flu a se deslocar lateralmente, gerando espaços ao adversário, que aproveitou pouco desse fator.

O gol de empate sai em um lance de bola parada. Após desvio, Kayky aparece muito bem posicionado, aproveitando a falha de posicionamento do último zagueiro para marcar com tranquilidade.

Talvez o principal problema do Tricolor na partida de ontem, e já observado em jogos anteriores, foi o posicionamento dos jogadores de beirada de campo. Os meias abertos jogando no lado oposto da perna dominante, puxam a jogada para o meio. Porém, os laterais não apresentam capacidade de chegar à linha de fundo, deixando o time com pouquíssimas jogadas em profundidade, justamente diante de um adversário que tinha a bola aérea como fraqueza. Equipe ficou descompactada e apresentava um buraco na construção ofensiva central em alguns lances.

No aspecto físico, que condiciona a manutenção das estratégias no campo, o Fluminense foi superior na maior parte dos 90 minutos, e terminou a partida controlando as ações ofensivas. Muito por conta da entrada de Gabriel Teixeira, mais um da base muito bem trabalhada pelo Flu. O garoto chamou o jogo e criou embates individuais que já não aconteciam nos minutos anteriores.

O Fluminense mostrou maturidade e evolução, mas ainda precisa ocupar melhor os espaços do campo e ter mais aproximação entre os atletas para não ser previsível e lento como em alguns momentos da partida no Equador.

Tática Didática: Como joga o Junior Barranquilla, pontos fortes e fracos e muito mais. Confira vídeo

O Junior Barranquilla é o próximo adversário do Tricolor. Mesmo diante de incertezas, por conta de protestos na Colômbia, o jogo segue marcado e vai mesmo ser disputado nessa semana.

A equipe colombiana vem de temporada instável, mas chegou à semi final no campeonato nacional, comandada pelo jovem ex-zagueiro Luis Perea.

Confira no vídeo a análise sobre os pontos fortes e fracos do Junior, que tem Borja, antigo atacante do Palmeiras, como grande destaque, com 33 gols marcados em 55 jogos pelo clube.

Foto: Divulgação Site Oficial