fbpx

Escolhido de Tite: Thiago Silva assume faixa de capitão contra o México

Tem ex-Fluminense assumindo a liderança da Seleção na Rússia, palco da Copa do Mundo de 2018. Capitão contra a Costa Rica, ainda na fase de grupos, Thiago Silva vestirá a faixa, pela segunda vez no Mundial, nesta segunda-feira, dia de jogo decisivo, entre Brasil e México, nas oitavas-de-final.

Desde que recuperou a titularidade, o ‘Monstro’ só tem ganhado mais confiança e se destacado na Copa. Afinal, marcou um gol importante, diante da Sérvia, e acumulou atuações brilhantes na primeira etapa do torneio. Por isso é quem ganha, das mãos de Tite, a braçadeira de capitão.

Às vésperas da partida de daqui a pouco, o zagueiro alertou sobre os atacantes mexicanos e se atentou para um detalhe: a maioria de seus companheiros de PSG foram fundamentais nas classificações de suas seleções. É a vez de Neymar, também craque do time francês.

– São jogadores extremamente inteligentes, sabem ocupar os espaços como ninguém. Chicharito já conheço um pouco melhor, nos enfrentamos algumas vezes, sei da qualidade que esse menino tem. Todo cuidado com esse trio de ataque, mas não só com eles. Quem faz a bola chegar com qualidade também – avisou, antes de garantir torcida por uma grande performance do camisa 10 da Seleção:

– Por incrível que pareça, quando acabaram os dois jogos (França x Argentina e Uruguai x Portugal), fiquei com esse mesmo pensamento na cabeça. Que no nosso jogo será o Neymar. Os dois (Mbappé e Cavani) foram fundamentais nas vitórias das suas seleções. Mesmo o Dí Maria sendo eliminado, fez um grande jogo. O Paris Saint-Germain está muito bem representado, mas a Seleção está equilibrada. Tem o momento certo dos atacantes aparecerem. A gente espera que que o Neymar esteja inspirado como os outros.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Thiago Silva marca contra Sérvia, entra para história da Seleção e renova memórias de Moscou

Na despedida da fase de grupos, nesta quarta-feira, o Brasil enfrentou a Sérvia, precisando, pelo menos, de um empate para se classificar ao mata-mata da Copa do Mundo, na Rússia. Quem começou a construir o placar foi Paulinho, encobrindo o goleiro do adversário. Mas quem deu tranquilidade à Seleção, em um momento em que o rival encontrava espaços para pressionar, foi Thiago Silva, ex-Fluminense. Final: 2 a 0.

Tão julgado pelo choro em 2014, mesmo sem jogar a semifinal contra a Alemanha, o zagueiro tem provado por que merece a confiança de Tite. É o brasileiro mais regular do Mundial. O destaque até aqui foi premiado com a cabeçada certeira que guardou o nome do ‘Monstro’ na história da Seleção. Tornou-se o único defensor a marcar gols em Copas diferentes – 2014 e agora.

A atuação segura e o gol renovam as memórias que Thiago Silva tem de Moscou. As antigas são amargas. Em 2005, quando defendia o Dínamo de Moscou, ficou cinco meses hospitalizado, em razão de tuberculose. O quadro grave levou médicos a sugerir a retirada do pulmão, o que acabaria com sua carreira. Mas a família impediu.

Foi quando apareceu Ivo Worttmann, com quem o craque do PSG trabalhou nos tempos de Juventude. O treinador conseguiu um especialista para tratar e curar o zagueiro. No ano seguinte ao diagnóstico, a caminhada de Thiago no futebol foi reiniciada. Retornou ao Fluminense, onde deu os primeiros passos, e brilhou, ao lado do mesmo técnico que o ajudou a se recuperar da doença.

– Um dos piores momentos da minha carreira e vida pessoal foi aqui. Graças a Deus, agora está sendo bem proveitoso para mim. Não só em Moscou, mas na Rússia, em geral, tenho tido equilíbrio muito grande e os jogos vão me dando confiança – disse o camisa 2, na zona mista.

Ele merece! Continuará ‘voando’ e, dia 15, na grande final, volta a Moscou para terminar de escrever essa nova história.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

 

Marcelo e Thiago Silva: tricolores usam braçadeira de capitão nos primeiros jogos da Copa do Mundo

Daqui a poucos minutos, o Brasil enfrenta a Costa Rica, em São Petersburgo, precisando vencer para se recuperar na disputa pela vaga na próxima fase da Copa do Mundo. Como se trata de um jogo decisivo e que traça o futuro da Seleção no Mundial da Rússia, é necessário alguém que assuma o papel de líder. Escolhido de Tite para a ocasião, Thiago Silva, estrela do PSG e que deu seus primeiros passos no futebol no Fluminense, é quem comandará os brasileiros na busca pelo triunfo. 

Capitão na Copa de 2014, no Brasil, o ‘Monstro’ viveu momentos difíceis, ouviu críticas e amargou ausências em convocações. Mas deu a volta por cima e, agora, se diz pronto para encarar o desafio.

– Eu vejo um ponto muito positivo para mim. Depois de um período fora das convocações, de ter retornado a um alto nível aqui dentro da seleção brasileira, para mim foi um momento muito especial. Eu me preparei muito para isso. É dar o máximo para a seleção brasileira, independentemente de estar com a braçadeira ou não. A gente consegue dividir essa responsabilidade dentro de campo – declarou, às vésperas deste jogão. 

A estreia, dia 17, foi razoável, com um segundo tempo ruim da Seleção. Entretanto, terminou empatada, em 1 a 1, garantindo, pelo menos, um pontinho na tabela. Neste duelo, o capitão foi Marcelo, craque do Real Madrid e revelado em Xerém. Ou seja, as cores verde, branca e grená estão sendo bem representadas pelos tricolores. 

Marcelo e Thiago Silva: tricolores usam braçadeira de capitão nos primeiros jogos da Copa do Mundo

Daqui a poucos minutos, o Brasil enfrenta a Costa Rica, em São Petersburgo, precisando vencer para se recuperar na disputa pela vaga na próxima fase da Copa do Mundo. Como se trata de um jogo decisivo e que traça o futuro da Seleção no Mundial da Rússia, é necessário alguém que assuma o papel de líder. Escolhido de Tite para a ocasião, Thiago Silva, estrela do PSG e que deu seus primeiros passos no futebol no Fluminense, é quem comandará os brasileiros na busca pelo triunfo. 

Capitão na Copa de 2014, no Brasil, o ‘Monstro’ viveu momentos difíceis, ouviu críticas e amargou ausências em convocações. Mas deu a volta por cima e, agora, se diz pronto para encarar o desafio.

– Eu vejo um ponto muito positivo para mim. Depois de um período fora das convocações, de ter retornado a um alto nível aqui dentro da seleção brasileira, para mim foi um momento muito especial. Eu me preparei muito para isso. É dar o máximo para a seleção brasileira, independentemente de estar com a braçadeira ou não. A gente consegue dividir essa responsabilidade dentro de campo – declarou, às vésperas deste jogão. 

A estreia, dia 17, foi razoável, com um segundo tempo ruim da Seleção. Entretanto, terminou empatada, em 1 a 1, garantindo, pelo menos, um pontinho na tabela. Neste duelo, o capitão foi Marcelo, craque do Real Madrid e revelado em Xerém. Ou seja, as cores verde, branca e grená estão sendo bem representadas pelos tricolores, motivos de orgulho para o clube de Laranjeiras.

– Quando criança, a gente pensa em vestir essa camisa. Como capitão, não tem preço – disse, à época, orgulhoso.

Saudações Tricolores,

Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Thiago Silva herda camisa de Dani Alves e Marcelo veste a 12: numeração da Seleção na Copa

A Rússia está a poucos dias de receber a Copa do Mundo de 2018. Em busca do hexacampeonato, o Brasil se prepara em Londres, na Inglaterra, com treinos e amistosos. Nesta sexta-feira, a Seleção viaja a Liverpool para o penúltimo teste pré-Copa, frente à Croácia, domingo. Ex-tricolores e principais nomes do grupo, Thiago Silva e Marcelo estão confirmados no time titular, desfalcado de Neymar, poupado.

Escalação indicada por Tite: Alisson; Danilo, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro; Fernandinho, Paulinho, Coutinho e Willian; Gabriel Jesus.

Nesta sexta-feira, a CBF anunciou a numeração oficial para os amistosos e para a Copa, que, para o Brasil, começa dia 17, em partida contra a Suíça. Aos 33 anos, Thiago Silva é o mais experiente do elenco e herdou a camisa 2, tradicionalmente usada por Daniel Alves, fora do Mundial por lesão. Marcelo, por sua vez, vestirá a 12. São os mesmos números utilizados pelo zagueiro e pelo lateral-esquerdo em seus clubes, PSG e Real Madrid, respectivamente.

Depois de encarar a seleção croata, os brasileiros retornam à capital inglesa para finalizar o período de treinamentos antes da Rússia. Dia 8, vão a Viena para, em 10 de junho, a uma semana da estreia na Copa, duelar com a Áustria. Confiante pelo trabalho desenvolvido, o ‘Monstro’ da torcida tricolor avalia como o Brasil chega para a disputa do torneio mais esperado do ano.

– Expectativa é muito boa por tudo o que a gente vem apresentando nos jogos. Desde a chegada do Tite, a gente teve um nível de atuação incrível e é isso o que estamos buscando, estar sempre em alto nível. Temos agora um confronto difícil no domingo, como vai ser o de estreia na Copa, contra a Suíça. A responsabilidade vai ser muito grande – declarou, durante entrevista.

Veja a lista abaixo:
  1. Alisson
  2. Thiago Silva
  3. Miranda
  4. Geromel
  5. Casemiro
  6. Filipe Luís
  7. Douglas Costa
  8. Renato Augusto
  9. Gabriel Jesus
  10. Neymar
  11. Coutinho
  12. Marcelo
  13. Marquinhos
  14. Danilo
  15. Paulinho
  16. Cássio
  17. Fernandinho
  18. Fred
  19. Willian
  20. Firmino
  21. Taison
  22. Fagner
  23. Ederson

 

Top