fbpx

Fluminense pede anulação de resolução que veta clássicos com Vasco no Maracanã sem acordo

Globo Esporte

O Fluminense entrou com um mandado de garantia no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJD-RJ) pedindo a anulação da resolução de Rubens Lopes, presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ), que veta a realização de jogos contra o Vasco no Maracanã pelo Carioca sem que haja acordo entre os clubes sobre a localização de suas torcidas no estádio ou decisão judicial desportiva sobre o caso.

O clube das Laranjeiras defende que não há uma omissão no regulamento que sustente a resolução tomada por Rubens Lopes. No pedido, o Tricolor alegou mais uma vez ter direito ao Setor Sul do Maracanã mesmo como visitante baseado em cláusula no contrato com o estádio e lembrou que já foram disputados nove clássicos com o Vasco no local com esta configuração de torcidas nas arquibancadas desde a assinatura do contrato com o Consórcio.

 

 

EM DEFESA DO FLUMINENSE

O advogado tricolor Mário Bittencourt, em entrevista  no ultimo domingo, descortinou todos os meandros jurídicos que envolvem o Fluminense,  Consórcio Maracanã e o Vasco da Gama.  Sendo totalmente imparcial, defendeu a Lei, o Direito e as Instituições.  Declarando,assistir razão,  as demandas judicializadas pelo Fluminense, e ainda esclareceu todas as clausulas não cumpridas pelo Consórcio, demonstrando as irregularidades cometidas contra a Instituição Tricolor.     Quanto a Denúncia do TJD contra o Fluminense, se manifestou no seu Instagram, da seguinte forma:“Sobre a denúncia feita pelo Procurador do TJD-RJ, no sentido de tentar excluir o Fluminense do campeonato carioca, digo o seguinte: a Justiça Desportiva tem sua competência restrita quanto às matérias de disciplina e competição, algo previsto no artigo 24 do CBJD, Código Brasileiro de Justiça Desportiva. O caso em debate é de natureza civil, ou seja, a discussão do descumprimento do contrato comercial entre o Fluminense e o Consórcio não está e jamais estará abrangida pela Justiça Desportiva. Isso é questão basilar do direito, ou seja, saber diferenciar os “terrenos” onde são debatidos os assuntos. O artigo citado pelo referido procurador (231 do CBJD), só é aplicado em casos onde o clube recorre à justiça comum para modificar decisão da justiça desportiva em matéria de disciplina e competição. Portanto, incabível a aplicação do artigo 231, única e simplesmente porque o Flu jamais poderia esgotar o debate na Justiça Desportiva sobre um contrato de natureza cível/comercial. Em síntese, nitidamente uma postura de dois pesos e duas medidas contra o Fluminense. A denúncia é ridícula pra não dizer maldosa. Não prospera no STJD e, se prosperar no TJD, será embasada por decisão teratológica. Aliás, a própria FERJ, ainda há pouco, também de maneira esquisita, reconheceu que a mudança de lado somente poderia ocorrer com a concordância do Fluminense, ou seja, como falei ontem num programa de TV, nosso clube foi vítima de um “acerto” para que houvesse um jogo de torcida única ou para que o Vasco pudesse estar do lado que não lhe é de direito. O texto da FERJ e, as palavras de seu presidente, comprovaram que existiu um movimento, por parte do consórcio, a favor do clube de São Januário. A resolução da FERJ reconheceu o direito do lado Sul ao Fluminense em todos os jogos, mas curiosamente “exige” um acordo contra o Vasco para os próximos confrontos. Dá vontade de rir. Nitidamente voltamos ao tempo das voltas olímpicas com caravelas de papelão!”

Por Wagner Aieta

 

 

Confusão no Maraca pode levar a exclusão do Flu no Carioca

Foto: Lucas Merçon / FFC

TJD enquadrou o clube no artigo 231 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD)

A confusão que marcou a final da Taça Guanabara pode render uma severa punição ao Fluminense.

De acordo com o UOL Esporte, o procurador geral do TJD (Tribunal de Justiça Desportiva), André Valentim, já formalizou uma denuncia e enquadrou o clube das Laranjeiras no artigo 231 do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva). Caso seja aceito, as penas passam a valer antes mesmo do julgamento.

Ainda de acordo com a reportagem, uma condenação pode resultar na exclusão do clube do Campeonato Carioca.

Em contato com o UOL, Valentim informou o motivo da denuncia:

– Eles foram para a Justiça Comum antes de irem até a Justiça Desportiva. É a primeira vez que aplico esse artigo. Quem fala o que quer, escuta o que não quer – informou o procurador.

Ainda de acordo com Valentim, todo o material já está nas mãos do presidente do TJD.

Top