fbpx

Aos 84 anos, Waldo, maior artilheiro do Fluminense, morre na Espanha

Na tarde desta segunda-feira, o Fluminense perdeu um dos seus grandes ídolos, Waldo. Aos 84 anos, o maior artilheiro da história do clube morreu em uma clínica na Espanha, onde vivia há cerca de três anos. O enterro está marcado para esta quarta-feira, no Tanatorio Municipal de Valencia.

Ele sofria de alzheimer e, com o agravamento da doença, por decisão dos filhos, passou a ser cuidado por enfermeiros. Não lembrava sequer que havia sido jogador.

– Agradecer a todos no Brasil pelo carinho que vocês tinham pelo meu pai. Foi uma coisa rápida. Essa semana mesmo ele já não queria comer nada. Hoje de manhã a médica me ligou e disse que estava delicado. Ele não sofreu nada e foi na paz. Agradeço muito a toda torcida do Fluminense – declarou, em entrevista ao Globoesporte.com, o filho Walmar.

Waldo defendeu as três cores entre 1954 e 1961 e marcou 319 gols em 403 jogos, além dos títulos do Campeonato Carioca de 1959 e duas edições do Torneio Rio-São Paulo: 1957 e 1960. Atrás dele no ranking, Orlando Pingo de Ouro (184 gols) e Fred (172 gols). Pedro Abad decretou luto de três dias no Fluminense e se pronunciou sobre a perda.

– Waldo foi o maior artilheiro de todos os tempos do Fluminense e é difícil imaginar que um dia ele possa ser ultrapassado. É uma perda que dói muito. Conheci o Waldo pessoalmente quando veio da Espanha para participar de uma Flu Fest. É mais um ídolo que se vai. É o grande artilheiro da nossa história. Todas as homenagens serão poucas. Esperamos que a partir de agora ele fique lá de cima torcendo para o nosso Fluminense – disse, ao site do clube.

Após quase uma década nas Laranjeiras, o ex-centroavante se tornou referência no Valência (1961-1969) e ainda passou pelo Hércules (1969-1971). Acabou ficando na Espanha e pouco voltou ao Brasil. Mas, ao fim de 2012, ele veio ao país para acompanhar o lançamento de sua biografia, nomeada “Waldo, o artilheiro” e escrita por Valterson Botelho.

– Tive a sorte de ser o goleador máximo daquele time e até hoje as pessoas se lembram de mim por causa disso. Ando pela rua e sou saudado pelos tricolores. Nunca esperava por isso – afirmou Waldo, na época.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

 

Pedro entra na mira do Valencia, da Espanha

Com dez gols em 2018, Pedro, de apenas 21 anos, está brilhando no Fluminense, detentor de 50% dos direitos econômicos. Com a ida de Henrique Dourado para o Flamengo, o novo camisa 9 do time assumiu o posto de goleador e, aos poucos, ganha espaço na vitrine europeia. Tanto que, de acordo com Jorge Nicola, da ESPN, o Valencia está de olho na joia de Laranjeiras.

Os espanhóis monitoram o centroavante há algum tempo e prometem enviar oferta ao Rio de Janeiro. Além da qualidade para estufar as redes, Pedro se destaca pela técnica e, ainda, por servir seus companheiros – são, até aqui, sete assistências.

Em entrevista à Rádio Brasil, no início do mês, o empresário do jovem, Marcio Giugni, dá a entender que alguma sondagem acontece.

– No meio do ano é normal que os clubes da Europa monitorem os jogadores que estão em ascensão no trabalho. Acredito que estejam sendo monitorados todos aqueles que estejam mostrando um bom trabalho no Brasileiro – disse.

Revelado em Xerém, Pedro foi promovido aos profissionais em 2016 e sempre enfrentou a desconfiança da torcida. Agora consolidado como titular, caiu nas graças dos tricolores e ganhou até música, ‘o Pedro vai te pegar’, uma alusão à homenagem a Fred, ex-atleta do clube.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Jorge Nicola / ESPN

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Top