fbpx

Técnico do Vasco, Luxemburgo define como “covardia” críticas a Ganso: “Ele é gênio”

Um dos convidados da Brasil Futebol Expo, evento organizado pela CBF e em andamento desde quinta-feira, o técnico Vanderlei Luxemburgo, que treina o Vasco, discordou das críticas a Paulo Henrique Ganso. O meia saiu vaiado por tricolores na eliminação na Sul-Americana após empate em 1 a 1 com o Corinthians e na derrota por 1 a 0 para o Avaí, pelo Brasileirão.

— Eu acho uma covardia o que fazem com o Paulo Henrique Ganso, de dizer que ele é um péssimo jogador, que ele não joga o futebol moderno. Onde é que é esse futebol moderno, que eu não consigo encontrar? Ele é gênio! – elogiou o treinador, que trabalhou com o camisa 10 no Santos.

Luxemburgo completou a fala ao explicar como deve ser o posicionamento do craque em campo. Nas Laranjeiras desde fevereiro, Ganso marcou quatro gols em 30 jogos e, de acordo com os números, figura entre os jogadores mais participativos do elenco.

— Por que que ele é gênio? Quando o campo é muito grande para ele correr, dar pique para a direita, dar pique para a esquerda e marcar volante, ele perde a capacidade de raciocínio onde ele é melhor, que é próximo da área. Mas aí bota o cara para correr para a direita, para a esquerda, para marcar volante… Se volante fosse bom, ele não seria volante, seria atacante.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Wagner relata briga com ex-técnico do Fluminense: ‘Quase saímos na mão’

Campeão brasileiro pelo Fluminense em 2012, Wagner viveu o dramático ano de 2013 e, com os mais experientes, assumiu a liderança de um time cheio de jovens. Aquela temporada tensa, que quase terminou no rebaixamento para a Série B, deixou os nervos aflorados até nos bastidores de Laranjeiras. Exemplo disto é a briga entre o meia e o técnico da época, Vanderlei Luxemburgo.

Ao Fox Sports, Wagner, agora no Vasco, relatou a situação, ocorrida em agosto, depois da vitória sobre o Náutico, por 1 a 0, na Arena Pernambuco.

– Quase saímos na mão. Cheguei louco. Eu entrei na partida perdendo, a torcida me xingando. Cheguei no vestiário, finquei uma bicuda numa lixeira. Eu estava irritado comigo pelo meu desempenho, porque não entrei bem. E o Vanderlei lá atrás: ‘O que é isso que você está chutando?’. Eu disse que não era nada com ele. ‘No meu time ninguém chuta nada’. ‘Não é nada com o senhor, fica quieto’, respondi. Ele disse: ‘Aqui quem manda sou eu’. Aí eu fui para dentro, o segurança me segurou, ele veio para dentro também – conta.

Wagner, de 33 anos, vestiu verde, branco e grená por cerca de três temporadas. Atuou, ao todo, em 180 jogos e marcou 25 gols.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Top