fbpx

Prejudicado ? Posição do Flu sem o VAR seria melhor do que a atual

Foto: Divulgação

O primeiro ano do uso do VAR no Campeonato Brasileiro tem trazido grande divergências nas marcações das jogadas, somado ainda ao tempo que tem demorado na análise do lance. Tais fatos vêm incomodando não só a midida especializada como também os torcedores.

No caso do Fluminense então, a torcida vem questionando muito o uso do recurso, alegando que a “interferência” está prejudicando o Tricolor no Campeonato.

O fato é que a posição do clube das Laranjeiras muda caso tire as marcações oriundas do polêmico VAR.

Dados: Alexandre Siqueira

Atualmente o Flu ocupa a 13° colocação, com 7 pontos, sem o Var, o clube estaria na 12°, com 10 pontos.

Fonte: Alexandre Siqueira

Opinião – De que VARle o árbitro de vídeo ?

Foto: Reprodução/Lance!

Mais um fim de rodada do Campeonato Brasileiro e o grande protagonista, novamente: o VAR. o que r a era pra ser a solução passa a ser a grande discussão.

A rodada foi polêmica, com diversos lances revisados pelo árbitro e vídeo. Mas será que ajudou ?

Para não ficar com muitas delongas, vamos concentrar nos lances do jogo entre Bahia x Fluminense, partindo de um simples ponto do regulamento da Ifab (International Football Association Board, o órgão que trata de mudanças nas regras do futebol) e que prevê a utilização do recurso apenas em lances claros, deixando os interpretativos por conta do juiz de campo. Contudo tal determinação está sendo descumprida não só no Brasil como também em vários países que adotaram o recurso. Como explicou Leonardo Gaciba em matéria publicada no site ChuteiraFC, em 9 de janeiro de 2019.

Vendo por esse lado a grande questão a ser levantada é em relação a marcação do pênalti, que é claro lance interpretativo. Já a questão da volta na cobrança, o lance foi correto – embora tivesse que ter sido visto pelo juiz de campo. Cabe agora ser usado em todos os jogos: o goleiro se adiantou ? Volta e cobra de novo.

Outro ponto a ser levantado é se o VAR não podia ter avisado ao juiz sobre uma possível falta em Pedro na origem do lance que se originou o pênalti. Caso tenha ocorrido a falta, não haveria o pênalti.

Ainda em relação ao pênalti marcado, as comparações de Gaciba no site ChuteiraFC pode ser trazidas para dois lances envolvendo o próprio Fluminense.

No partida contra o Santos, a bola desvia na mão de Pituca dentro da área em lance bem semelhante ao de Gilberto nesse último jogo contra o Bahia, sendo que na época do jogo contra o Santos, o VAR sequer foi acionado, deixando claro que em lance interpretativo o uso do recurso aumenta ainda mais a chance de erros e discussões n futebol.

Comentarista analisa lance de possível pênalti para o Flu

Foto: Reprodução/Premiere

Um lance chamou a atenção na partida entre Santos e Fluminense, que terminou com a vitória do Peixe por 2 a 1 sobre o Tricolor.

O lance aconteceu no final do primeiro tempo, quando o zagueiro do Santos, Gustavo Henrique, tenta cortar uma bola e a gorducha bata na mão de Diego Pituca. O árbitro da partida, Wilton Pereira Sampaio, nada marcou e segure consultou o VAR.

Mas para o comentarista de arbitragem do grupo Globo, Sandro Meira Ricci, a decisão de juiz foi acertada:

– Ali foi um movimento de equilíbrio. Nesse lance não foi nada. O Gustavo Henrique cabeceia na mão do Pituca que está descendo e nem vê a bola. Acertou o árbitro Wilton Pereira Sampaio e não houve a penalidade – comentou Ricci.

Reveja o lance:

O problema não é o VAR. E sim, a arbitragem

O brasileirão começou e o Fluminense tropeçou feio em casa. Uma derrota amarga, com um gol, vamos dizer, ridículo, marcado por Rafael Vaz de falta por baixo da barreira no fim do jogo, levando os 17 mil tricolores ao ódio e a vaiar o time.

Mas o que chamou atenção no Maracanã ontem, foi o VAR. Ou, na verdade, o juíz Dewson Freitas. Uma atuação de chamar muita atenção da comissão de arbitragem da CBF. Erros grosseiros que determinaram o rumo do jogo e afetou muito os jogadores.

Primeiramente, Luciano não participou do lance do gol de Everaldo, em que o juíz, mesmo olhando-o no monitor do VAR, anulou o gol legal, afirmando que o jogador estava na frente do goleiro, participando do lance.

O segundo momento crucial foi na suposta falta marcada onde o Goiás marcou seu gol. Everaldo não fez falta. E ainda levou cartão amarelo por reclamar com a arbitragem.

No primeiro tempo, Bruno Silva sofreu falta dentro da área. Dewson marcou o pênalti. Depois, esperou quase três minutos e foi chamado pelo árbitro de vídeo para um suposto impedimento. No final, o jogador não estava em posição irregular e não estava impedido. Mas o que ele marcou? Só ele sabe.

Apesar disso tudo, ele ainda marcou um pênalti, também no VAR, onde Yago encostou a mão na bola. Cobrança que demorou 30 minutos para ser cobrada por causa da falta de iluminação no Maracanã. E Luciano conseguiu a proeza de perder a penalidade.

Após tantas polêmicas e confusões, é possível que tiremos algumas conclusões. O VAR funciona, isso é óbvio. Mas o despreparo da arbitragem brasileira é inacreditável. Vemos os campeonatos europeus todos utilizando essa tecnologia. Vimos na Copa do Mundo, na Champions League, mas o mais incrível é que no Brasil, o VAR consegue ser estragado. Falta preparo para os árbitros. Como utilizar uma alta tecnologia mas o básico, que é apitar um jogo de futebol estando em cima dos lances, não se faz. Ainda tendo a opção de rever os lances polêmicos e mesmo assim, a justiça não é feita.

O que chegou para ser uma tremenda ajuda, poderá atrapalhar cada vez mais a conturbada arbitragem brasileira.

E estamos só na primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

Saudações Tricolores,

João Eduardo Gurgel

Crédito da Foto: Blog Do Rica Perrone

Em post, Fluminense critica interferência do VAR

Foto: Reprodução SporTV

Apesar do mal futebol apresentado na estreia do Campeonato Brasileiro, o Fluminense foi clara e reconhecidamente prejudicado pela arbitragem.

Em um dos lances do jogo, o juiz da partida, Dewson Freitas, anulou um gol legítimo anotado por Everaldo, alegando impedimento de Luciano, sendo que o camisa 18 nem participa do lance.

Outro questionamento do Tricolor foi o gol anotado pelo Goiás, onde a reclamação carioca se concentra na origem do lance, a marcação da falta, uma vez que Everaldo toca a bola e não no jogador goiano. Na cobrança, Rafael Vaz faz o gol da vitória Esmeraldina.

Depois de reclamações do treinador Fernando Diniz e até do diretor de futebol, Paulo Angione, o próprio Fluminense usou sua conta oficial nas redes sócias para reclamar da péssima arbitragem de Dawson e do uso do VAR:

Paulo Angioni vê árbitros “inseguros” com VAR e alerta sobre Dewson Freitas: “Tem hábito de errar contra o Fluminense”

Indignado com os erros do juiz Dewson Fernando Freitas na derrota do Fluminense por 1 a 0 para o Goiás, no Maracanã, Paulo Angioni fugiu do “protocolo” e abriu a entrevista pós-jogo, prevista para ser apenas com Fernando Diniz. Ao contestar o uso do VAR nesse domingo, o dirigente destacou a legitimidade do gol de Everaldo, anulado, e acusou insegurança dos profissionais com a tecnologia.

– Vim aqui para alertar os equívocos do VAR. O aperfeiçoamento disso causou prejuízo ao Fluminense. Erros primários que se cometem. Interferência desmedida, falta de critério. Demora. Não consigo entender ainda. Acaba sendo interpretação em alguns lances. Por mais que seja isso, no lance do gol, a intervenção do jogador do Fluminense não trouxe prejuízo para a trajetória da bola.

– Não participei de conversa nesse sentido (VAR). Presidente do clube é que participa. A CBF deve estar atenta. Dificuldade que mais me impressiona é que, na hora da decisão, são muito inseguros. Não sei se alguém de fora interfere e discute com ele, mas demanda um tempo.

Nos últimos minutos, foi assinalada uma falta inexistente favorável ao Esmeraldino, que marcou o único gol do duelo, com o zagueiro Rafael Vaz. Angioni alfinetou o árbitro, que integra o quadro da FIFA.

– Em dois lances capitais, hoje, o VAR e o árbitro prejudicaram o Fluminense de uma forma feia. No lance do Everaldo, não foi falta, ele conseguiu enxergar onde não houve. Esse árbitro tem hábito de errar contra o Fluminense no passado.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Olho no apito: Bruno Arleu será o responsável por conduzir o Fla-Flu

Foto: Divulgação/Ferj

A Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj) definiu em sorteio realizado na sede da entidade na tarde desta quinta-feira (04) os árbitros responsáveis pela condução das semifinais do Campeonato Estadual.

Para o Fla-Flu, que acontecerá no próximo sábado (06), o responsável pelo apito será Bruno Arleu de Araújo, auxiliado por Rodrigo Figueiredo Corrêa e Daniel do Espírito Santo Parros. João Batista de Arruda será o quarto árbitro.

Assim como nas semifinais e finais de turno, a semifinal e final do Estadual também contará com o árbitro de vídeo, o VAR, que no caso do Fla-Flu ficará a cargo de Rodrigo Nunes de Sá.

Vale destacar que Bruno Arleu foi o árbitro do primeiro jogo do Flamengo no Campeonato Carioca, quando o rubro-negro enfrentou o Bangu e venceu de virada. Na ocasião, o primeiro gol da equipe da Gávea foi validado através de uma bola que havia saído pela linha de fundo no início do lance e nem o árbitro e seus auxiliares notaram a sua saída.

Comentaristas divergem sobre gol anulado do Fluminense

foto: Reprodução/TV

O gol do Fluminense, anulado logo nos primeiros minutos do Fla-Flu, continua gerando uma grande polêmica: se houve ou não a falta de Matheus Ferraz em Rodrigo Caio ?

Os ex árbitros e atuais comentaristas de arbitragem do grupo Globo, Paulo César de Oliveira e Sandro Meira Ricci, tiveram opiniões diferentes em relação ao lance.

Para Paulo César, que comentou o jogo pela TV Globo, o lance foi mal anulado pois na visão do ex árbitro não há disputa entre os zagueiros. Para PC, foi uma briga pelo espaço e sem conduta faltosa de Matheus Ferraz.

Já Sandro Meira Ricci, que comentou a partida pelo Premiere, entendeu que o zagueiro do Fluminense deslocou de forma faltosa o defensor rubro-negro, o impedindo de cortar a bola.

Outro fator importante a ser destacado e analisado por PC de Oliveira, é em relação ao zagueiro Rodrigo Caio, que em momento algum pediu a falta no lance.

Vale destacar que os dois comentaristas deixaram claro que o lance foi interpretativo.

CBF propõe novas mudanças no futebol brasileiro

Foto: Divulgação

Dentre as novidades está a Supercopa do Brasil.

A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) deverá realizar grandes mudanças no futebol brasileiro.

Dentre elas uma que vem sendo tema de grande questionamento ao longo de vários anos: a troca de técnicos.

De acordo com o jornalista Igor Siqueira, dos jornais O Globo e Extra, a entidade máxima do futebol brasileiro deve propor aos clube nesta sexta-feira (22) que só haja uma mudança de técnico ao longo da competição nacional.

Ainda de acordo com o jornalista, a entidade ainda irá anunciar que vai arcar com o custo massivo do VAR, durante as 38 rodas da competição, restando aos clubes apenas o custeio da taxa de arbitragem do sistema.

Outra mudança será a implementação da Supercopa do Brasil. Partida no estilo com as que ocorrem na Europa, onde colocará frente a frente os campeões nacionais – Campeonato Brasileiro x Copa do Brasil – em jogo único e em local pré estabelecido pela confederação. A idéia e ter a partida já em 2020, e abrindo a temporada do futebol brasileiro.

Com direito a VAR, Ferj divulga equipe de arbitragem do Fla-Flu

Foto: Divulgação

O sistema será utilizado nas semifinais e finais de turno, além da final do Estadual.

Aguardados por muitos, o Fla-Flu desta quinta-feira (14) irá definir um dos finalistas da Taça Guanabara 2019.

Para comandar a partida, a Ferj escalou o árbitro Rodrigo Carvalhaes de Miranda, de 39 anos. Ele será auxiliado por Silbert Faria Sisquim e Michael Correa.

Rodrigo apitou ao todo três partidas nessa atual edição Estadual: ainda na seletiva ele apitou a vitória do Macaé sobre o Goytacaz por 2 a 1. Já na fase de grupos da Taça Guanabara, comandou o empata de 0 a 0 entre Botafogo e Bangu, além da vitória do Flamengo de 3 a 1 sobre o Boavista.

A partida ainda contará com a presença do árbitro de vídeo, o VAR, sistema que será utilizado nas semifinais e finais de turno, além da final do Estadual.

Acompanhe a equipe completa de arbitragem:

Árbitro 1: Rodrigo Carvalhaes de Miranda

Auxiliar 1: Silbert Faria Sisquim

Auxiliar 2: Michael Correia

4º árbitro: Grazianni Maciel Rocha

VAR: Bruno Arleu de Araújo

AVAR: Luiz Cláudio Regazone

Apoio VAR: Daniel de Sousa Macedo

Supervisor VAR: José Carlos Santiago

Top