“Eu, no lugar do Fluminense, também estaria p…”, diz Cuca sobre pênalti a favor do Galo

Um dos assuntos mais comentados neste domingo (28) foi o pênalti marcado a favor do Atlético-MG, na partida contra o Fluminense. O lance determinou o empate do Galo, que virara o jogo na segunda estão, encaminhando o título brasileiro.

Ainda brigando pelo G-4, jogadores, o técnico Marcão e até mesmo o presidente Mário Bittencourt, se mostraram revoltados com a marcação, que ganhou o coro de Cuca, técnico do Atlético-MG:

“– O pênalti a nosso favor, muita gente fala que não foi. O VAR de hoje era um profissional Fifa. É um pênalti questionável. Se ele não dá não ia ninguém dizer que não deu um pênalti claro, mas é uma coisa interpretativa. Eu no lugar do Fluminense também estaria p… da vida – declarou o treinador.

Foto em destaque: Reprodução/Tv Globo

Após derrota, David Braz dispara contra o VAR: “está acabando com o futebol brasileiro”

O Fluminense foi até Minas Gerais e acabou derrotado por 2 a 1 para o Atlético-MG, que encaminhou o título brasileiro.

Após o jogo, o zagueiro David Braz concedeu entrevista, e disparou contra o VAR, acionado para marcação do pênalti que gerou o empate do Galo:

Viemos em busca de conquistar os três pontos e começamos muito bem. Mas teve o erro do árbitro, o que é um absurdo com a tecnologia que temos no futebol ele não ver que a bola não bateu no braço do Marlon. Não é desmerecendo o Atlético-MG, que também jogou bem, mas é um absurdo. O Atlético-MG merece o título pelo Campeonato que fez, mas o VAR está acabando com o futebol brasileiro – disparou o zagueiro.

Foto em destaque: Mailson Santana/FFC

Semifinais do Cariocão terá auxílio do VAR e sem custos aos clubes

A fase de mata-mata do Campeonato Carioca têm início neste sábado (01) com a disputa do primeiro jogo de uma das semifinais, quando o Volta Redonda recebe o Flamengo. Neste domingo (02) será a vez de Portuguesa x Fluminense.

A partir desta fase, a competição conta com a novidade no auxílio do árbitro de vídeo, o VAR, que começa a ser utilizado a partir das semifinais. No entanto, na edição deste ano, a implementação da tecnologia não representará custos aos clubes.

Uma parceria entre a Federação de Futebol do Rio de Janeiro, a Ferj com a agência de marketing esportivo, Esporte Com, custeará os gastos com os equipamentos. Além disso, há outra novidade: O VAR será operado em uma sala distante do campo de jogo.

Foto em destaque: Divulgação

Taça Guanabara não terá VAR; reunião durante a competição vai definir uso da tecnologia nas finais do turno

Em arbitral realizado no início da semana entre a Ferj e representantes dos clubes, foi decidido que não haverá o uso do VAR na fase de grupos da Taça Guanabara, que inicia na próxima semana.

O uso da tecnologia segue incerto também para a fase final do turno (semifinais e final), quando uma nova reunião entre a sétima e oitava rodada deve decidir pelo uso ou não dá tecnologia.

O arbitral definiu ainda que o protocolo contra a Covid-19 usado no ano passado será mantido para 2021, quando todos precisarão ser testados antes dos jogos para conseguir ingressar nos estádios – incluindo jogadores e staff, sendo necessário a apresentação do exame negativo. As cinco substituições serão mantidas e o staffs dos jogos serão reduzidos para diminuir os custos do Campeonato Carioca.

A reunião ainda antecipou o jogo entre Flamengo e Nova Iguaçu, que acontecerá na próxima terça-feira (02) em partida que marcará a abertura do Campeonato. Fluminense e Resende, primeiro jogo do Tricolor na competição, deve acontecer na quarta-feira (03), ainda sem horário definido.

Foto em destaque: Ivan Paulo/Agência FERJ

Pênalti, VAR e gol anulado: Odair questiona arbitragem entre Palmeiras e Fluminense

A derrota do Fluminense para o Palmeiras por 2 a 0 na noite deste sábado (14), no Allianz Parque, em São Paulo, poderia ter sido diferente se não fosse a intervenção do VAR, que anulou um gol do Fluminense no primeiro tempo, quando identificou impedimento de Luccas Claro e o pênalti que culminou no primeiro gol do Palmeiras.

Na coletiva pós jogo, o técnico Odair Hellmann questionou a atuação do árbitro, principalmente no pênalti marcado para o Palmeiras no início do segundo tempo. Após chute de Lucas Lima a bola bateu no braço de Wellington Silva e após analisar o VAR, o juiz assinalou pênalti.

Aqui eu não vou ficar falando de arbitragem, mas pra mim não foi pênalti, temos que começar a fazer uma avaliação melhor dentro deste contexto, mas aí pega uma avaliação do VAR, lance que para e volta, num chute de alta velocidade que o Wellington faz o movimento de instinto com o braço fechado, sendo que aconteceu a mesma coisa no primeiro tempo contra eles, outras situações que não chama e ainda não está uniforme essas utilizações e decisões, e aí fez a diferença a marcação de pênalti no segundo tempo onde o Palmeiras abre o placar – disse Odair, que ainda questionou a demora no impedimento que anulou o gol do Fluminense marcado por Luccas Claro no primeiro tempo.

O jogo que ficou cinco minutos parado para um decisão milimétrica, se é impedimento, se não é impedimento, mas a gente tem que acreditar no movimento dessa máquina aí, né ? Que deu o impedimento. Mas como o pênalti fez a diferença pra eles, poderia fazer a diferença pra gente, principalmente em um momento onde estávamos melhor na partida, mas quando a gente faz um gol e coloca lá na máquina e fica cinco minutos para ver se foi gol ou se não foi, desconcentra um pouquinho – finalizou o treinador.

Foto em destaque: Lucas Merçon/FFC

Mário Bittencourt critica o não uso do VAR e promete nova ida à CBF

Após mais uma rodada onde o VAR teve papel fundamental no empate do Fluminense contra o Avaí, o presidente do clube, Mário Bittencourt, usou as redes sociais para se pronunciar sobre os acontecimentos ocorridos na Ressacada.

O presidente criticou o VAR por não ter avisado ao árbitro de um puxão de camisa em Marcos Paulo dentro da área. O lance ocorreu aos 13 minutos do 1º tempo, quando o jogo ainda estava sem gols.

Foto: Reprodução/Instagram

“Acabei de chegar de Florianópolis onde acompanhei o time e após ver e rever os lances da partida não consigo entender o porquê do VAR não ter sido acionado no pênalti cometido sobre o Marcos Paulo. Não estou nem entrando no mérito do pênalti cobrado duas vezes, mas o pênalti no Marcos Paulo foi claríssimo e não marcado. Acredito que o VAR possua o objetivo de melhorar a arbitragem mas a falta de critério utilizada pelos árbitros vem causando enormes prejuízos aos clubes, em especial ao Fluminense. Como dito outro dia numa coletiva, não vejo intenção em prejudicar, mas o erros em sequência contra o Fluminense e contra outros clubes demonstram que existe a necessidade clara de definição de critérios pela CBF para o ano que vem e que esses critérios sejam divulgados antes da competição ao grande público. Vamos cobrar isso. Em outras oportunidades já fizemos representações e sempre fomos prontamente atendidos pelo Presidente da Comissão de arbitragem Leonardo Gaciba. Amanhã, terça feira, faremos novos questionamentos de forma oficial para entender quais critérios foram adotados no jogo contra o Avaí.” Saudações Tricolores.

Mário Bittencourt

O lance citado pelo presidente não foi nem sequer revisado pelo árbitro de vídeo. No fim do jogo, o Flu sofreu o empate na segunda cobrança de pênalti do Avaí. Na primeira, defendida por Marcos Felipe, o VAR o acusou corretamente de invasão e voltou atrás, anulando a defesa do goleiro.

Saudações Tricolores,

João Eduardo Gurgel

Gilberto concorda com anulação de gol de Fred por falta na origem da jogada: “Me impediu de seguir”

Fred chegou a balançar a rede para o Cruzeiro no Mineirão, mas o juiz do jogo, após revisar o lance, anulou o gol marcado aos 9 minutos do segundo tempo. Isso porque, na origem da jogada, Robinho deixou o pé no rosto de Gilberto. O duelo dessa quarta-feira, válido pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro, acabou ficando no 0 a 0.

— Expliquei até para o Robinho. Não sou de simular falta. Eu já tinha roubado a bola dele. Quando eu ia levantar para seguir a jogada, ele bateu, talvez sem intenção, com o pé no meu rosto e me impediu. E acabou acontecendo a jogada de gol. Sendo falta ou não, acabou me impedindo de seguir na jogada. Se é um lance para o VAR interferir, na minha opinião, interferiu da maneira correta — disse o lateral-direito.

O VAR precisou entrar em ação mais duas vezes, na primeira etapa. Foi cancelada a expulsão de Yuri por falta em Jádson e aplicado ao volante o cartão amarelo, que o tira da próxima rodada, sábado, contra o Bahia, no Maracanã. Além disso, sobrou um amarelo para Fred por empurrão em Paulo Henrique Ganso. Perguntado sobre o uso da tecnologia, Marcão disse concordar, mas quer que decisões sejam mais rápidas.

— Perde um pouco de timing. O jogo estava quente, corrido. Temos acompanhado em alguns países a decisão com um pouco de mais rapidez. Melhorar essa questão do tempo para não esfriar o espetáculo é importante. O VAR é justo. Tem que ter justiça. Eu apoio. Mas é possível encurtar esse tempo.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Para Pablo Dyego, VAR ajudou o Corinthians: “esfriou o jogo”

Foto: Divulgação

Autor do gol de empate do do Fluminense diante do Corinthians, o atacante Pablo Dyego questionou a atuação do VAR no jogo.

O árbitro paralisou a partida por mais de cinco minutos após o gol e, na visão do atacante, esfriou o ímpeto do Tricolor:

– Atrapalhou muito (VAR). A gente estava numa adrenalina tremenda. Se a bola tivesse rolado de imediato, nós iríamos sufocar eles (Corinthians) e teríamos mais chances de virar o jogo. Mas ficou naquela indefinição e acabou esfriando um pouco – afirmou o atacante.

CONMEBOL libera informações audiovisuais do VAR

Foto: Divulgação

Em busca de tentar dar uma maior transparência as decisões tomadas pelo VAR, a CONMEBOL comunicou que irá liberar todas as informações audiovisuais do recurso.

De acordo com a entidade, a ideia e levar mais transparência e credibilidade nas decisões tomadas pelo árbitro e seus auxiliares.

O recurso ainda de acordo com a entidade será liberado em todos os jogos sob a tutela da CONMEBOL, seja ele válido pela Libertadores ou Sul-Americana.

– O VAR é uma ferramenta que chegou para ficar no futebol internacional, e é por isso que precisamos do processo de adaptação de ambos os árbitros, jogadores, torcedores e jornalistas para serem realizados com a máxima transparência. Nesse sentido, a possibilidade de acessar o registro audiovisual revelará como é feita a revisão de uma peça duvidosa a partir do momento em que o jogo é interrompido, até o momento em que é tomada a decisão da arbitragem – disse Wilson Seneme, Presidente da Comissão de Arbitragem da CONMEBOL.

A entidade publicou a nova medida em suas redes sociais:

Clubes precisam cobrar transparência da CBF em relação ao VAR

Clubes precisam cobrar transparência da CBF , em relação ao VAR.

Não é a primeira vez nem a última que um clube é prejudicado pelo VAR , ou pela falta da solicitação do VAR.
Ganso foi atingido na área e após rever a jogada diversas vezes entendi que houve a penalidade , como sou árbitro formado pela EAFERJ , afirmo existem várias maneiras de se lidar com essa tecnologia , e sim pode ser utilizada por conveniência se não houver transparência, o essencial é transparência , o VAR deve ser gravado , as imagens diversas cedidas , e todas as atitudes da equipe de arbitragem devidamente documentadas , quem não deve não teme!
Veja o caso hoje , e não é choro de perdedor , saibamos separar as coisas , em outra matéria que fiz há minutos atrás , sou bem claro que não se justifica perder tantos gols e ter tanta ineficiência , o Fluminense não mereceu a vitória por pura incompetência. Mas há de se salientar, houve um erro de arbitragem devidamente evidenciado e que a regra permite voltar , o VAR não foi solicitado por que? O Clube precisa cobrar a CBF , e os árbitros precisam em qualquer dúvida dessas, solicitar o VAR, o Fluminense foi prejudicado contra o Goiás e agora contra o CSA em pleno Maracanã! Será mesmo que esse tipo de acontecimento seria possível contra o Flamengo ou Corinthians?! Há de salientar que as imagens diversas para a arbitragem de vários ângulos é cedida gentilmente pela Globo.
Vamos entender que o lance foi capital independente da ineficiência do nosso ataque e de nossa debilidade na defesa, se o VAR fosse devidamente acionado , como manda a regra , evitaria a derrota tricolor! A pergunta que não quer calar : porque o VAR não foi acionado após o Gol do CSA , já que a bola não parou , após polêmico penal sofrido pelo Ganso?!
No vôlei quem pede é o clube , porque precisamos ficar na mão da arbitragem devidamente na solicitação do VAR? Quem deve solicitar o VAR é o clube ! E a transparência tem que ser total , nas decisões da equipe de arbitragem!

Só em jogadas de penalidade, impedimento ou cartão como manda a regra , com um limite de e até 3 pedidos por período. Com a arbitragem prudentemente obviamente também solicitando assim se for necessário!

Imagem : ver-o-fato.com.br

Por Marco Velloso