fbpx

Empresário inclui Fluminense entre clubes que sondaram Ralf, ex-Corinthians

Dispensado do Corinthians a pedido do técnico Tiago Nunes, Ralf pode jogar pela primeira vez na carreira em um clube carioca. Isso porque, à coluna do jornalista Jorge Nicola no Yahoo Esportes, um empresário do volante revelou ter recebido sondagens de Fluminense, Botafogo e Vasco.

— Não há proposta oficial, mas teve consulta de todos (os grandes do Rio), menos do Flamengo — disse.

Houve contato de uma equipe da China, onde Ralf ficou entre 2016 e 2017, quando vestiu a camisa do Beijing Guoan. Todavia, aos 35 anos, o veterano prioriza a permanência no Brasil, desde que para atuar por um time grande. O destino do jogador será definido assim que se chegar a um acordo com o Alvinegro pela rescisão do contrato, com validade até o fim do ano.

O elenco do Time de Guerreiros conta, hoje, com quatro volantes. Além de Yuri e Dodi, os recém-contratados Hudson e Henrique.

Publicado por: Nicholas Rodrigues.

Ex Flu, Sornoza pode pintar no Vasco

O meia Júnior Sornoza, ex Fluminense e que está na lista de transferências do Corinthians, pode retornar ao Rio de Janeiro, para defender o Vasco da Gama.

O meio campista é um pedido do técnico Abel Braga, ex treinador de Sornoza na época de Fluminense, que tenta convencer o equatoriano a acertar com o Cruzmaltino.

Sornoza é pretendido também pela LDU, do Equador, pais natal do meia, que também tem interesse em defender o clube equatoriano. Porém, a LDU já sinalizou que para ter Sornoza em 2020, o jogador terá que aceitar uma redução salarial.

O Corinthians por sua vez não dificultaria a saída do equatoriano que chegou com pompa de titular mas não se firmou na equipe paulista.

Foto em destaque: Lucas Merçon/FFC

Entendeu, Vasco? Maracanã deixa de ser campo neutro no Carioca, e Fluminense garante torcida em setor Sul

A reunião que aprovou a fórmula de disputa do Campeonato Carioca de 2020, segunda-feira, na sede da FERJ, decidiu dar fim à condição de campo neutro para o Maracanã. Desse modo, o Fluminense, administrador ao lado do Flamengo, garante, como mandante, o direito de posicionar sua torcida no setor Sul, como já ocorre no Brasileirão.

— A discussão do lado não é uma guerra de prestígio. É uma questão comercial. Não existe hipótese jurídica de um regulamento interferir nisso. Temos uma permissão de uso que foi prorrogada. Não queremos prejudicar ninguém. Mas o Fluminense não tem como abrir mão disso por questões comerciais. Pagamos para jogar ali, custeamos o estádio. Não existe lógica. No dia em que eu jogo uma decisão, eu tenho que me deslocar, fechar minhas lojas, para atender reivindicação baseada em história? O Maracanã mudou desde a reforma. Não há nada pessoal contra o Vasco. Mas a questão é simples. Botafogo e Vasco não fizeram questão de estar lá porque usam seus estádios. Flamengo e Fluminense fizeram acordo e têm obrigações contratuais – disse Mário Bittencourt.

— É evidente que a torcida do Fluminense, no Maracanã, sempre ficará do lado direito. Foi como exposto pelo presidente do Fluminense. Eu penso que a lógica está situada no fato de que hoje o Fluminense está dentro do estádio dele — completou Rubens Lopes, presidente da federação.

A polêmica acerca do lado Sul do estádio marcou a final da Taça Guanabara deste ano, em fevereiro. Após batalha judicial entre os clubes, foram geradas liminares pelo fechamento dos portões e, depois, pela liberação da entrada de torcedores, com a bola rolando.

— Nossa preocupação é que houvesse um embate como o que nos levou a cenas horríveis como as que aconteceram no clássico. Aquilo foi uma das piores coisas que aconteceram, por uma divergência boba. Ao menos, eles deram a entender que chegaram a um atendimento — declarou Lopes.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Organizada do Fluminense é banida dos estádios por um ano

O Juizado Especial do Torcedor e dos Grandes Eventos baniu dos estádios brasileiros a Young Flu, maior organizada do Fluminense, por um ano. Em caso de descumprimento, a multa a ser aplicada é de R$ 20 mil. O prazo passa a valer a partir de agora, embora o grupo já estivesse suspenso há alguns meses, porque a Justiça considerou desobediência à proibição anterior.

A decisão, baseada no artigo 39 do Estatuto do Torcedor, veio em resposta a tumulto entre tricolores e integrantes da Força Jovem do Vasco em clássico em fevereiro de 2015, no Nilton Santos.

“A torcida organizada que, em evento esportivo, promover tumulto; praticar ou incitar a violência; ou invadir local restrito aos competidores, árbitros, fiscais, dirigentes, organizadores ou jornalistas será impedida, assim como seus associados ou membros, de comparecer a eventos esportivos pelo prazo de até 3 anos”, prevê o artigo 39.

Tal confronto ocorreu nas redondezas da estação de trem do Méier, Zona Norte do Rio. À época, 87 pessoas foram detidas. Em campo, o Cruz-Maltino venceu por 1 a 0, pelo Campeonato Carioca.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: UOL.

Técnico do Vasco, Luxemburgo define como “covardia” críticas a Ganso: “Ele é gênio”

Um dos convidados da Brasil Futebol Expo, evento organizado pela CBF e em andamento desde quinta-feira, o técnico Vanderlei Luxemburgo, que treina o Vasco, discordou das críticas a Paulo Henrique Ganso. O meia saiu vaiado por tricolores na eliminação na Sul-Americana após empate em 1 a 1 com o Corinthians e na derrota por 1 a 0 para o Avaí, pelo Brasileirão.

— Eu acho uma covardia o que fazem com o Paulo Henrique Ganso, de dizer que ele é um péssimo jogador, que ele não joga o futebol moderno. Onde é que é esse futebol moderno, que eu não consigo encontrar? Ele é gênio! – elogiou o treinador, que trabalhou com o camisa 10 no Santos.

Luxemburgo completou a fala ao explicar como deve ser o posicionamento do craque em campo. Nas Laranjeiras desde fevereiro, Ganso marcou quatro gols em 30 jogos e, de acordo com os números, figura entre os jogadores mais participativos do elenco.

— Por que que ele é gênio? Quando o campo é muito grande para ele correr, dar pique para a direita, dar pique para a esquerda e marcar volante, ele perde a capacidade de raciocínio onde ele é melhor, que é próximo da área. Mas aí bota o cara para correr para a direita, para a esquerda, para marcar volante… Se volante fosse bom, ele não seria volante, seria atacante.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Possíveis escalações apontam encontro de ex nos dois lados do clássico

Foto: Lucas Merçon/FFC

Fluminense e Vasco se enfrentam neste sábado às 11h pela 11° rodada do Campeonato Brasileiro, em São Januário. E de acordo com as prováveis escalações de cada equipe, devemos ter ex jogadores das equipes em ambos os lados do clássico.

Pelo lado do Tricolor, Nenê, recém contratado junto ao São Paulo, mas com passagem marcante pelo cruz-maltino, já está regularizado pelo Flu, e, deve ser o substituto de Ganso, suspenso pelo terceiro cartão amarelo.

Já no Vasco, Marquinho e Richard, que se juntaram ao elenco da Colina durante a parada para a Copa América, treinaram ao longo da semana entre os titulares, e devem jogar o clássico pela primeira contra o Tricolor.

Em situação complicada na tabela, tanto Fluminense, quanto o Vasco, 15° e 16° colocados respectivamente, precisam da vitória para se distanciarem da incômoda zona de rebaixamento.

Seguindo as espectativas criadas ao longo dos treinos, as equipes devem ir a campo com a seguinte escalação:

Fluminense: Agenor; Gilberto, Nino, Digão e Caio Henrique; Bruno Silva, Daniel e Nenê; Yony Gonzalez, João Pedro e Pedro.

Vasco: Fernando Miguel; Yago Pikachu, Oswaldo Henríquez, Leandro Castan e Henrique; Richard, Raul e Marquinho; Yan Sasse, Valdívia e Marrony.

Agenor indica titularidade contra Vasco e reconhece necessidade de vencer: “É uma cobrança interna nossa”

Sem vencer no Campeonato Brasileiro desde a goleada por 4 a 1 sobre o Cruzeiro, em meados de maio, o Fluminense chega para o clássico com o Vasco ameaçado pela zona de rebaixamento. Em entrevista no Centro de Treinamento, quinta-feira, Agenor disse compreender a necessidade de converter as boas atuações em resultado.

– Estamos fazendo bons jogos e os números, às vezes, não correspondem. Hoje o mais importante para o Fluminense é somar pontos, ganhar partidas. Temos, sim, que jogar bem, continuar com a postura que estamos jogando, só que ganhando jogos. É uma cobrança interna nossa.

A má campanha passa a exercer alguma pressão sobre Fernando Diniz. No entanto, a diretoria reafirmou, por meio do presidente Mário Bittencourt, a confiança no trabalho do técnico. A equipe chegou a ouvir vaias no Maracanã, segunda, após empate em 1 a 1 com o Ceará.

– O grupo inteiro tem ciência. Sabemos que no Fluminense a pressão é grande. Viemos jogando bem, mas temos que focar em ganhar partidas, somar pontos. O Fluminense não pode ficar na situação que se encontra na tabela, temos que estar na parte de cima. Claro que a pressão sobre o treinador é grande. Mas o Diniz é um cara especial, nos trata com bastante atenção e carinho, independentemente da pressão que vem sofrendo. O grupo reconhece isso, abraça ele desde que chegou aqui. Nesse sentido, o grupo passa bastante tranquilidade para ele, para que possamos buscar os resultados que precisamos – declarou o goleiro.

Pelo menos por enquanto, a sombra de Muriel, contratado durante a pausa para a Copa América, não assusta Agenor. O arqueiro, aliás, indicou titularidade no duelo deste sábado, em São Januário, e se avaliou em uma boa sequência.

– Treinei como titular. Mas a briga é boa, saudável. Quem ganha é o Fluminense.

– Avalio que venho fazendo uma sequência boa. Os erros que aconteceram fui o primeiro a colocá-los. Sempre converso com o treinador de goleiros e com o Diniz, sempre procuro tirar o máximo dos dois para que os erros cometidos não venham a acontecer. Mas de modo geral venho fazendo uma ótima sequência.


CONFIRA MAIS RESPOSTAS DE AGENOR:

Condição física: “Não gosto muito de falar sobre essas coisas. Fui bastante cobrado desde o início. Hoje me encontro, sim, no meu peso. Pode pegar os números aqui. Sei da cobrança que tenho no Fluminense”.

Questionamentos ao peso: “Hoje me sinto titular no Fluminense, mas não me sinto acomodado. Procuro a cada dia melhorar mais, evoluir como pessoa. Não ligo muito para essas críticas. Procuro sempre focar no meu trabalho no dia a dia. Procuro tirar o máximo do preparador de goleiros, do Diniz. Sigo tranquilo, independentemente das críticas. Me preocupo sempre no próximo jogo. Minha preocupação agora é o Vasco e é isso o que tenho que fazer”.

Relação com Muriel: “Fico feliz com o Muriel comigo aqui. Nos criamos na base do Inter. Temos dez anos de convivência, passamos praticamente a infância inteira juntos, subimos ao profissional juntos. Quando soube que ele viria, conversamos. Quem ganha é o Flu. Sei da capacidade dele, sei que Flu espera bastante dele. Ele sabe também das disputas que terá aqui, do tamanho do clube”.

Expectativa para jogo contra Vasco: “Podemos esperar um clássico bastante disputado, com as duas equipes buscando a vitória. É um horário atípico, sábado, 11h. Mas já jogamos neste horário, não é novidade. Nesta semana treinamos mais pela parte da manhã. Fizemos uma boa semana de trabalho, visando o próximo jogo. Esperamos chegar em São Januário e fazer uma boa partida”.

Estratégia contra Vasco: “Postura tem que ser da maneira que viemos jogando, imponto nosso ritmo de jogo, nossa maneira de jogar. Sabemos que clássico é diferente, ainda mais fora de casa. Mas independentemente do adversário, não podemos mudar o que viemos treinando desde o início do ano. Temos que chegar em São Januário, fazer uma boa partida e buscar os três pontos”.

Time sem Allan e Ganso: “São posições que vêm fazendo a diferença. Sabemos da qualidade do Allan e o quanto ele cresceu durante a temporada. Faz diferença dentro de campo. Entendo que temos jogadores que fazem a função dele. Todo mundo que entra vai manter o padrão de jogo que viemos mostrando. É torcer para quem entrar fazer o melhor jogo possível e que possa nos ajudar dentro de campo”.

Facilidade em sofrer gols: “Viemos tomando muitos gols, mas não são em situações criadas. São situações que acontecem no jogo. No último foi um bate e rebate na área e o cara fez um gol de bicicleta. Cada gol que tomamos existe um por quê. E estamos corrigindo esses por quês. Determinadas partidas que fizemos deixamos a desejar seja em marcação, posicionamento, imposição. Isso tudo agrava na hora de tomar gol. Gol quando toma é o detalhe final. Mas a origem da jogada é que faz toda a diferença. Temos que corrigir esses detalhes. Incomoda bastante, não só a mim. Sabemos que podemos melhorar, e temos que melhorar”.

Doping de Rodolfo: “É um cara muito bacana. Independentemente do que aconteceu, temos total confiança dele. Já falamos com ele após o episódio. O grupo inteiro está solidário. Sabemos a dificuldade que ele vem passando. Entendemos que podemos contribuir com ele com mais coisas, mas vamos deixando ele no tempo dele. No momento ele fica mais com a família, recluso aos advogados. E a partir do momento que ele conversa conosco, abraçamos ele da melhor maneira possível. Afinal de contas, foi um fato isolado. Mas por trás desse fato ele é uma grande pessoa, um pai de família. O grupo é o mais acolhedor possível com ele”.

Nenê: “Um cara superbacana. Já conhecíamos ele de outros clubes. Grupo recebeu ele da melhor maneira possível. Já chegou, treinou. Se vai jogar ou não é com Diniz. Se começar jogando, vai nos ajudar bastante, se entrar no decorrer, também. Não temos que pensar só nesse jogo do Vasco. A nível de campeonato fortalece ainda mais o elenco. Temos o Ganso, o Daniel, o Allan, que ajudam bastante. Quem ganha é o Fluminense. Temos que tirar proveito de ter esses jogadores”.

Wellington Nem: “Todo jogador que tenha qualidade é muito bem-vindo. Ele vindo é um baita de um reforço. Todos sabemos da qualidade dele. É mais um cara que temos que tirar proveito. Campeonato longo e disputado como Brasileiro, fortalecer cada posição do elenco o Fluminense fica mais fortalecido”.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Nenê é regularizado no BID e pode estrear diante do Vasco

A estreia de Nenê pelo Fluminense pode acontecer já na manhã de sábado, contra o Vasco, seu ex-clube, em São Januário. Isso porque o contrato do meia apareceu no BID da CBF na tarde desta quarta-feira, o que o deixa apto a entrar em campo pelo Brasileirão. Anunciado na segunda-feira, no Maracanã, antes do empate em 1 a 1 com o Ceará, o reforço assinou até o fim de 2020.

Nenê realizou seu primeiro treino com o elenco na terça-feira, no Centro de Treinamento. Foi um coletivo com os jogadores que não atuaram na rodada passada, além de alguns jovens da base. Diante do desfalque de Paulo Henrique Ganso, suspenso pelo terceiro amarelo, Fernando Diniz afirmou não descartar a escalação do camisa 77.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fluminense decide não levar Allan para clássico com Vasco

Além de Paulo Henrique Ganso, suspenso, o meio-campo do Fluminense não terá Allan no clássico com o Vasco, sábado, em São Januário, pela 11ª rodada do Brasileirão. Visto que o novo contrato de empréstimo do volante apareceu no BID na terça-feira, o clube considera que o cumprimento de suspensão contra o Ceará, no dia anterior, poderia ser contestado. Assim, a ausência por expulsão na rodada passada deveria ocorrer só no jogo do fim de semana.

Allan, emprestado pelo Liverpool até o fim da temporada, demorou a ser regularizado devido ao atraso da Federação Inglesa de Futebol em repassar aos tricolores a documentação necessária.

A diretoria tomou a decisão depois de consulta à CBF, a fim de não correr risco de sofrer perda de pontos posteriormente. Allan deu lugar a Yuri no empate em 1 a 1 com o Vozão, no Maracanã.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Top