fbpx

Fluminense acena com acordo para Wellington Silva e consegue suspensão de ação trabalhista

Dispensado em 2017, com mais sete jogadores, Wellington Silva começou a negociar acordo com o Fluminense para encerrar a ação trabalhista movida em dezembro. Em audiência na tarde desta quinta-feira, a Justiça suspendeu o processo por 30 dias, na esperança de que a dívida seja solucionada amigavelmente. Caso haja um trato entre as partes, a magistrada o sentenciará.

Após o lateral-direito cobrar R$ 1,3 milhão, a juíza Rosane Ribeiro Catrib, da 56ª Vara do Trabalho do Tribunal Regional do Trabalho da Primeira Região (TRT-1), determinou, no início de fevereiro, que o clube deveria pagar R$ 951 mil ao seu ex-contratado em até 48h, ameaçado de sofrer penhora.

– Ao invés de mostrar interesse em resolver as dívidas, o Fluminense priorizou a contratação de Paulo Henrique Ganso. Com três meses do salário do reforço, a dívida do meu cliente estaria paga. Isso é uma irresponsabilidade da direção, mas trata-se do modus operandi no Brasil. Infelizmente – reclamou, à época, o advogado Theotonio Chermont, que defende Wellington Silva na causa.

As conversas sobre a rescisão ocorreram em março de 2018, mas o combinado acabou sendo descumprido. Isso levou o atleta a buscar a esfera judicial, sendo o último daquela lista a fazê-lo. A diretoria vê o caso como delicado, afinal, ao conviver com penhoras, tem maiores dificuldades em regularizar as dívidas com o elenco desta temporada.

Diego Cavalieri, Marquinho, Artur, Higor Leite e Robert haviam procurado seus direitos anteriormente. Henrique, segundo o Globoesporte.com, conseguiu sentença favorável em R$ 9 milhões. Maranhão, por sua vez, mantém contrato com o Fluminense e está encostado.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: LANCE!

 

Inter acerta prorrogação do empréstimo de Wellington Silva por mais 18 meses

Contrato com o Flu se encerra na mesma data do final do empréstimo.

O Internacional chegou a um acordo com o Fluminense e Wellington Silva e, prorrogou o empréstimo do atacante por mais 18 meses, até junho de 2020.

O jogador que já estava emprestado ao clube gaúcho desde o início de 2018, chegou a ser sondado pelo Cruzeiro, mas preferiu seguir em Porto Alegre.

O Fluminense contudo não receberá nada pela negociação, apenas cederá o jogador com o Inter arcando com 100% do salário do atleta. O curioso nas tratativas é que o contrato de Wellington Silva com o Flu se encerra exatamente no mesmo período que terminará o empréstimo ao Inter: junho de 2020. Com isso, ao final do novo empréstimo o jogador estará livre para negociar com qualquer equipe sem que o Fluminense ganhe nada em troca.

 

foto: Divulgação/Internacional

Fluminense e Inter encaminham novo acordo por Wellington Silva

Jogador deve assinar por mais um ano com o colorado.

O Fluminense e o Internacional chagaram a um acordo pelo atacante Wellington Silva. De acordo com o radialista gaúcho, Lucas Collar, da Rádio Inferno, o jogador será emprestado novamente pelo Tricolor ao Colorado pelo período de mais um ano.

Apesar do acordo já ter sido apalavrado ainda está faltando a assinatura do novo vínculo. Fato que deve acontecer no próximo final de semana, quando Wellington Silva retorna ao Brasil após período de férias no exterior.

Contudo, assim como na primeira negociação, o novo acordo não envolverá dinheiro nem jogadores. O jogador será repassado ao clube gaúcho que arcará com 100% de seu salário.

 

foto: Divulgação Internacional

Wellington Silva processa o Fluminense por descumprimento do acordo de rescisão

Dispensado em dezembro de 2017, Wellington Silva cansou de esperar um posicionamento do Fluminense e, na segunda-feira, processou o ex-time. Ele alega descumprimento do acordo de rescisão e cobra R$ 1,3 milhão, valor acordado em março. Segundo a defesa, somente o FGTS e uma parcela do combinado foram saldados. Ainda há dois meses de salários, multa da indenização rescisória, férias e 13º pendentes.

– Tentamos, de todas as maneiras, receber amigavelmente, inclusive repactuando o acordo. Mas o clube informou no momento que estava aguardando o recebimento de várias receitas e, portanto, não tinha como dar qualquer resposta. O atleta já vem aguardando desde março (data do acordo) sem qualquer posicionamento – declarou o advogado Theotonio Chermont.

Anteriormente, Diego Cavalieri, Marquinho, Artur, Higor Leite e Robert também procuraram a Justiça para resolver o caso. Por não honrar as rescisões, o clube vem sofrendo penhoras, o que prejudica, inclusive, o pagamento de salários ao elenco e funcionários atuais, problema recorrente ao longo da temporada.

Daquele grupo dispensado há um ano, apenas Henrique nunca chegou a negociar um trato com o Fluminense e aguarda a conclusão da sentença judicial. Maranhão está emprestado ao Goiás. 

A juíza Rosane Ribeiro Catrib deu ao clube um prazo de dez dias para se pronunciar. Uma audiência está marcada, na 56º Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, para o dia 21 de fevereiro. 

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Internacional lista 11 nomes para envolver em troca por Wellington Silva

Jogador está emprestado ao Colorado até o final desta temporada.

Disposto a renovar o contrato de Wellington Silva por mais uma temporada, o Internacional listou um total de 11 jogadores que não interessam a comissão técnica colorada para tentar envolver em uma troca com o Fluminense pelo atacante.

A lista colorada que foi informada pelo portal Esporte 24 horas, contém nomes que já haviam sido especulados no Flu, como os laterais Alemão e Cláudio Winck, o zagueiro Ernando, além do meia Camilo.

A lista ainda possui alguns jogadores promissores, porém, sem espaço no Colorado, caso dos meias Andrigo e Gustavo Ferrareis.

Confira a lista completa: 

– Cláudio Winck (lateral-direito, 24 anos)

– Alemão (lateral-direito, 28 anos)

– Ernando (zagueiro, 30 anos)

– Léo Ortiz (zagueiro, 22 anos)

– Eduardo Bauermann (zagueiro, 22 anos)

– Andrigo (meia, 23 anos)

– Alisson Farias (meia, 22 anos)

– Gustavo Ferrareis (meia, 22 anos)

– Mossoró (meia, 22 anos)

– Camilo (meia, 32 anos)

– Marcinho (atacante, 22 anos)

Vivendo uma das maiores crises da sua história, a troca de jogadores pode ser uma boa saída para o Fluminense montar seu elenco para a temporada 2019.

 

foto: Divulgação Internacional

Dispensado em 2017, Wellington Silva ameaça acionar o Fluminense na Justiça

A ação na Justiça, antes descartada, é uma possibilidade real e estudada por Wellington Silva, dispensado em 2017, via telefone, quando ainda estava lesionado. Foi acordado, em março, que a rescisão seria paga parceladamente. No entanto, a falta de compromisso do Fluminense, que está há quatro meses sem pagar, levou o lateral-direito a mudar de ideia.

– Tem alguns meses que o Fluminense não paga. Eles falaram com o meu empresário e eu estou aguardando. É só o que posso fazer. Talvez acertem algo nos próximos dias, mas não tem prazo. Não queria colocar o clube na Justiça. Eu sei que a situação é difícil, a gente sabe das dificuldades financeiras, mas eu também tenho contas para pagar. Eu tinha contrato, fiz o acordo numa boa e esperava a mesma postura deles, mas não estou recebendo. Infelizmente, não descarto mais entrar na Justiça. Eles estão em débito com a gente – explicou.

Recuperado da contusão no joelho esquerdo e com ofertas de times do exterior e do Brasil, Wellington Silva destacou a dificuldade da rotina de um jogador de futebol. Principalmente quando, como em 2016, sem o Maracanã, há maratona de jogos e viagens. Em razão disso, o ex-tricolor entende que o salário é seu direito e rechaça o rótulo de mercenário.

– A gente dá a vida pelo clube. Vivemos mais no clube que em casa, com a família. A gente cede muita coisa que o torcedor não vê. Não é questão de ser mercenário, o salário é nosso direito. Não existe coisa de corpo mole, parar de correr porque salário está atrasado. Quando entra em campo, isso fica secundário. O clube tem que pensar no jogador, conversar, tudo é o jeito como as coisas acontecem – disse.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Fluminense atrasa rescisões e perde acordo verbal com Henrique; casos podem parar na Justiça

Em dezembro passado, o Fluminense pôs em prática o plano de reduzir a folha salarial de 2018. Como etapa do processo, dispensou oito jogadores e assumiu o compromisso de pagar, somente neste ano, R$ 15 milhões em acordos. Depois de cumprir as primeiras parcelas, o clube se viu impossibilitado de quitar o combinado e atrasou pagamento a seis profissionais. A razão para tal é a crise financeira, que também afeta o elenco, a receber, ainda, um mês na CLT  e de imagem.

As pendências complicaram o que fora negociado verbalmente com o zagueiro Henrique, agora no Corinthians, e o tratado acabou desconsiderado. Pedro Abad admite dificuldades em arcar com essa missão, mas aposta que conseguirá solucionar a situação.

– Começamos o ritmo de pagamento normal, mas depois precisamos interromper. Assim que tivermos recursos, vamos regularizar. Comunicamos a alguns, outros entenderam. Tivemos a compreensão de todos. Há a crença de que vamos resolver. Mas, sim, o problema existe – confessou.

Os combinados, em caso de atraso de pagamento, preveem multa. Aqueles que se resolveram amigavelmente podem, inclusive, parar na Justiça. A diretoria intencionava depositar em abril a maior parte do valor devido, reduzindo o custo das parcelas nos meses seguintes. Para seguir o planejamento, captaria-se dinheiro em um fundo, o que não aconteceu.


Confira quantos meses de atraso a cada jogador:

Artur: Fez acordo extrajudicial. Parcelas de maio e junho estão atrasadas, e a última está combinada para agosto.

Diego Cavalieri: Recorreu à Justiça e cobra R$ 6,1 milhões. Recebeu pouco mais de R$ 1 milhão em fevereiro. Em 15 de abril, uma parcela de R$ 2.325.761,80 deveria ser quitada, mas não foi. A partir de maio, seriam mais 18 parcelas de R$ 145.360,11. Está previsto 30% de multa por inadimplência.

Higor Leite e Robert: Fizeram acordo extrajudicial. A segunda e última estava prevista para 30 de abril, mas não foi cumprida.

Henrique: Como supracitado, o acordo verbal foi desfeito. Segunda-feira, em audiência na 54ª Vara do Trabalho do Rio, a magistrada Katia Emilio Louzada tentou, sem sucesso, a conciliação. O processo segue.

Maranhão: Emprestado ao Goiás até dezembro e termina seu contrato com o Fluminense em maio de 2019.

Marquinho: Fez acordo extrajudicial e espera pagamentos de abril, maio e junho. Parcelamento termina em dezembro de 2019.

Wellington Silva: Fez acordo extrajudicial e espera pagamentos de abril, maio e junho.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Wellington Silva analisa dispensa e se diz grato ao clube: ‘Minha história lá foi bonita’

Em dezembro passado, o Fluminense, numa medida que visava reduzir a folha salarial, anunciou uma lista de dispensa com oito jogadores. Nela estava, também, Wellington Silva. Ele e Marquinho viveram situações parecidas: dispensados enquanto ainda estavam machucados e precisavam se tratar. Apesar da forma como se deu a saída de Laranjeiras, o lateral-direito mantém carinho e gratidão ao clube. Mas vê equívoco no desenrolar da história.

– É preciso ter gratidão. Mesmo errando, especificamente na parte de eu estar lesionado, o clube fez muita coisa por mim. No Fluminense, tive sequência, consegui ser reconhecido nacionalmente e construí a minha carreira. Devo isso ao clube, que é enorme. Foi ele quem me abriu portas ao futebol – disse, antes de ponderar:

– Faltou consideração comigo. Em 2016, eu dei a vida machucado. Não importa se o time ganhou ou não. Eu joguei. Eu não sabia que estava machucado só porque ainda não tinha feito exame. Mas sabia que tinha algo errado pois estava doendo muito. Tenho mais de 100 jogos, me dediquei muito. Enfim, faltou sensibilidade deles. Mas passou. Vou seguir a minha vida.

Foi pelo amor às três cores que Wellington Silva preferiu resolver a rescisão sem levar o caso à Justiça. O caminho escolhido, portanto, foi a conversa. E, embora tenha demorado, o martelo foi batido nesta semana.

– Nunca quis entrar na Justiça. A primeira coisa que falei ao meu empresário foi tentar o acordo. Tem de ter gratidão na vida, aprendi isso. O clube é feito de pessoas e lá tem pessoas que gosto demais. O pessoal da rouparia, da fisioterapia, os massagistas. Torço por eles. A vida segue para o clube e para mim – declarou, durante entrevista ao Globoesporte.com.

Foram três anos vestindo verde, branco e grená. Um título – a Primeira Liga – e, ao todo, 128 jogos. Apenas três gols. A passagem de Wellington Silva por aqui pode ser resumida em números e, sobretudo, críticas da torcida. O que, para o jogador, é normal, desde que sem ofensas. Dentre as temporadas de Fluminense, a melhor, aponta Wellington, foi 2015. Uma época marcada por dificuldades, mas que chamou a atenção do atleta pela parceria entre time e torcedores e o fez criar laços mais fortes com o Tricolor.

– Foi um ano muito bom. Brincava com o Fred que só era eu que dava passe para ele. Marcou a minha carreira, o ano. A torcida estava junto, foi um período difícil, de transição da Unimed. Hoje em dia posso falar que torço para o Fluminense. Tenho muitos amigos lá. É bom ver o clube campeão, as pessoas felizes. Minha história lá foi bonita.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues

Fonte: Globoesporte.com.

 

Conversas se estendem por meses, mas rescisão com Wellington Silva se concretiza

Apesar da demora, mais uma situação está resolvida. Entre os dispensados em dezembro passado, Wellington Silva, de 30 anos, e seu empresário negociavam o valor da rescisão – que será parcelado ao longo de dois anos – desde aquela época e selaram o acordo só na quinta-feira. O contrato do agora ex-tricolor deveria ser cumprido até o final da temporada.

Em 2017, o lateral-direito defendeu as cores do Bahia, por empréstimo. Mantém a forma física numa academia na Barra da Tijuca e aguarda propostas para assinar com novo clube.

A passagem de Wellington pelas Laranjeiras foi marcada por instabilidade e críticas. O brilho que o jogador teve no Resende e no Flamengo pouco apareceu enquanto vestiu a camisa tricolor. Foram 126 partidas e apenas três gols.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Top