fbpx

Aborrecido, Marcos Júnior troca o Fluminense pelo Yokohama Marinos

Sem acordo pela renovação do vínculo, com validade por mais um mês, Marcos Júnior deixará o Fluminense e, em janeiro, viaja ao Japão para jogar pelo Yokohama Marinos. Aos 25 anos, ele encerra um longo ciclo na casa onde foi revelado e começou como profissional, em 2012. Atrás de Gum, é, hoje, o segundo jogador há mais tempo no clube.

As primeiras conversas – sem sucesso – com o Yokohama ocorreram em abril, havendo, inclusive, a formalização de uma proposta. Quando questionado sobre o interesse japonês, ainda no primeiro semestre, Marcos Júnior confirmou, mas indicou a preferência pela permanência nas Laranjeiras. À época, porém, ele ainda não havia sido chamado para negociar a extensão do contrato.

Pedro Abad assumiu a negociação para manter o atacante em 2019. Propôs mais um ano e um reajuste salarial, mas não agradou. Embora seja dono de 60% do passe do vice-artilheiro da equipe no ano (nove gols em 48 jogos), o Fluminense não lucrará com sua saída para o clube japonês, uma vez que estava em fim de contrato.

Marcos Júnior se aborreceu com os salários atrasados, problema que se tornou corriqueiro durante a temporada. Depois da goleada para o Palmeiras, em novembro, ele chegou a cobrar um esclarecimento de Paulo Angioni no vestiário da Arena. Domingo, envolveu-se em mais um polêmica, quando se disse favorável à renúncia do presidente.

Defendendo as cores verde, branco e grená, o atleta conquistou os campeonatos Carioca e Brasileiro de 2012; a Primeira Liga de 2016, marcando o gol do título; a Taça Guanabara de 2017; e a Taça Rio de 2018.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

 

Fluminense confirma empréstimo de Kayke, que comemora ‘oportunidade gigante’

Aos 30 anos, Kayke ganha mais uma chance em um grande clube do futebol nacional. Na tarde desta quinta-feira, horas depois de o Bahia anunciar a rescisão com seu agora ex-contratado, o Fluminense confirmou a chegada do reforço, que assinou empréstimo até dezembro.

– Estou muito empolgado com mais uma oportunidade gigante na minha carreira. Será um privilégio vestir as cores do Fluminense. Vamos fazer de tudo para, no final do ano, estarmos comemorando títulos. Em um clube acostumado a ganhar, temos que chegar com esse pensamento. Dentro de campo não vai faltar vontade – disse.

O passe de Kayke pertence ao Yokohama Marinos, do Japão, que dividirá os salários com o clube de Laranjeiras. Ele, que estava no Rio de Janeiro desde terça-feira para fazer exames médicos, vestirá a camisa 17. A novidade serve para suprir a ausência de Pedro em eventuais convocações para a Seleção e até em caso de venda.

– Morei no Rio muitos anos, a minha família é toda daqui. Minha esposa está grávida e nosso segundo filho vai nascer aqui, isso nos deixa muito felizes e é um ponto positivo para que as coisas fluam bem dentro de campo também, em uma adaptação rápida – opina.

Com passagens por times europeus e brasileiros, como Flamengo e Santos, Kayke se apresentará à imprensa nesta sexta-feira, às 15h30, no Centro de Treinamento. Sua estreia depende de condições físicas, uma vez que está há quase dois meses sem atuar, e do registro no BID.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

No Rio, Kayke passa por exames e aguarda assinatura de contrato com o Fluminense

Desejado pelo Fluminense desde o início do ano, quando Abel Braga, ex-técnico, recomendou a contratação, Kayke se acertou com o clube e só depende de detalhes para ser anunciado como reforço. Ele chegou ao Rio de Janeiro nesta terça-feira e está em fase de exames médicos. Se aprovado, assina até o fim da temporada. 

Embora pertença ao Yokohama Marinos, do Japão, Kayke estava emprestado ao Bahia e foi repassado pelo time baiano ao carioca. Em se tratando de um repasse, o fechamento da janela, nesta quarta-feira, não interfere no negócio. O procedimento é comum e tem o aval da FIFA. 

Enquanto os japoneses se responsabilizam por uma parcela do salário de Kayke, o Fluminense fica com o restante, o mesmo valor que era pago pelo Bahia. 

A ideia de reabrir conversas com o centroavante partiu  da possibilidade de Pedro ser convocado para a Seleção, o que o faria se ausentar de alguns jogos, ou até vendido. Por ora, o único reserva do camisa 9 é João Carlos, ex-Cabofriense. 

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Top